Neve e enchentes matam oito pessoas no Oriente Médio

Uma das piores tempestades de inverno já vistas no Oriente Médio provocou a rara aparição de neve na Jordânia e na Síria nesta quarta-feira, causou acidentes fatais no Líbano e na Cisjordânia e interrompeu as operações de diversos portos no Egito. Oito pessoas já morreram na região. Pelo menos seis das mortes ocorreram nas montanhas libanesas, que estão cobertas pela neve, informou a Cruz Vermelha do Líbano. Também nevou nas cidades da Cisjordânia e Israel, como Hebron. A cidade histórica romana de Baalbek, no Líbano, ficou coberta de neve. Nevou em Damasco, Amã e em Nicósia, no Chipre.

AE, Agência Estado

09 de janeiro de 2013 | 15h05

As autoridades do Egito fecharam diversos portos do país devido às chuvas torrenciais e aos fortes ventos que afetaram as operações do Canal de Suez nos últimos três dias. A agência estatal de notícias informou que estão fechados os portos das cidades de Alexandria e Dakhila, no norte mediterrâneo do país, enquanto outras cidades sofrem com falta de energia. A agência também noticiou que 10 pescadores estão desaparecidos após o barco em que estavam ter naufragado no Mar Mediterrâneo, perto do porto de Marsa Matrouh. A Faixa de Gaza e a cidade de Rafah, na fronteira do Egito com o território palestino, foram atingidas por enchentes.

Na Jordânia, os refugiados sírios que fugiram da guerra civil que ocorre no país sofreram com o mau tempo. Os fortes ventos da tempestade de inverno destruíram os alojamentos e expuseram os refugiados ao frio. No campo de Zaatari, onde 50 mil pessoas estão abrigadas, alguns refugiados frustrados atacaram funcionários do local com pedras. Segundo a polícia da Jordânia, sete trabalhadores ficaram feridos. Nevou no deserto jordaniano e na capital do país, Amã.

A maior parte dos residentes de Zaatari é composta de crianças e mulheres, que fazem parte dos mais de 280 mil sírios que fugiram para a Jordânia desde que começaram os protestos contra o presidente Bashar Assad em março de 2011.

A neve se acumulou em muitas partes da Jordânia, fechando escolas, isolando motoristas e atrasando voos internacionais, segundo noticiou o meteorologista Mohammed Samawi, que definiu o cenário como "a maior tempestade a atingir o Oriente Médio em janeiro em pelo menos 30 anos". Na Síria, a neve se acumulou na capital, Damasco, assolada pela guerra civil.

Já na cidade de Ramallah, na Cisjordânia, uma autoridade palestina informou que duas mulheres se afogaram nesta quarta-feira após o carro em que estavam ter ficado preso em uma enchente. Elas abandonaram o carro e acabaram levadas pela correnteza. O motorista do carro foi hospitalizado em condição crítica.

A previsão é de que as chuvas torrenciais continuem pelos próximos três dias e as temperaturas devem permanecer baixas.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.