Andrew Harnik/AP
Andrew Harnik/AP

New Hampshire sempre reduz os candidatos democratas. Este ano será diferente

Primária no estado costuma deixar a corrida pela nomeação do Partido Democrata limitada a dois ou três nomes. Ao menos cinco candidatos vão continuar na disputa em 2020

Jonathan Martin e Alexander Burn, The New York Times, O Estado de S.Paulo

11 de fevereiro de 2020 | 14h25

EXETER, NH - Os candidatos presidenciais democratas ampliaram seus ataques um ao outro na segunda-feira nas últimas horas antes da abertura das pesquisas em New Hampshire, destacando as profundas divisões entre a esquerda e o centro do partido, enquanto suas campanhas se preparavam para um conjunto de disputas ainda mais cruciais nas próximas semanas.

Com a extraordinária possibilidade de cinco candidatos continuarem na disputa após as primárias de New Hampshire, nesta terça-feira, 11, as prévias democratas parecem mais instáveis do que nunca na véspera de uma primária que geralmente encerra as aspirações presidenciais da maioria dos candidatos.

Muitos democratas esperavam que os eleitores independentes de New Hampshire dessem clareza quando votarem na terça-feira. Mas com pesquisas recentes mostrando Sanders e Buttigieg à frente e seus três principais rivais disputando o terceiro lugar com um eleitorado ainda indeciso, os principais candidatos começaram a fazer planos para mais dois estados, Nevada e Sul Carolina, bem como para a Super Terça-feira, no próximo mês, acreditando que seus rivais podem ratear.

Sanders planeja visitar os estados da Super Terça-feira esta semana. O ex-vice-presidente Joe Biden enviou um de seus mais destacados partidários para sediar uma “festa de lançamento” na Carolina do Sul na noite de terça-feira, um esforço para desviar a atenção de suas duras lutas previstas em New Hampshire.

E a senadora Amy Klobuchar, de Minnesota, se esforçou para enviar funcionários e exibir anúncios de televisão em Nevada, que é o próximo no calendário principal.

Enquanto muitos tentavam dar um último empurrão em suas candidaturas em New Hampshire nesta segunda-feira, eles procuraram aumentar as distinções entre si, especialmente Buttigieg e Sanders. 

Com muitos democratas do establishment cada vez mais nervosos com a possibilidade de Sanders ganhar um impulso significativo com vitórias consecutivas nos votos populares, Buttigieg alertou que as propostas de esquerda de seu rival poderiam repelir o tipo de eleitores que os democratas precisariam para derrotar o presidente Donald Trump em novembro.

"Sabendo o quanto nossa vitória depende da união, não podemos arriscar alienar os americanos neste momento crítico", disse Buttigieg a uma multidão que enfrentou uma tempestade de neve pela manhã para vê-lo em Plymouth, New Hmapshire. “É aqui que eu me separo do meu amigo, Senador Sanders.

Líder em todas as principais pesquisas de New Hampshire, Sanders procurou energizar seus partidários anti-establishment na segunda-feira, destacando o apoio que Buttigieg recebeu das elites corporativas.

"Pete parece pensar que não importa que, no caso dele, ele tenha levantado muito e muito dinheiro de pelo menos 40 bilionários", disse ele em Salem.

Para Entender

Como funciona a escolha do presidente dos EUA

No dia 3 de novembro de 2020, 224 milhões de eleitores americanos irão às urnas e darão seu veredicto sobre a presidência de Donald Trump; veja o que mais está em jogo

No entanto, enquanto os dois candidatos de New Hampshire trocavam farpas de longe, os eleitores pareciam estar cada vez mais intrigados com um terceiro candidato, que até o debate de sexta-feira estava atrás nas pesquisas: Klobuchar.

A polícia de Exeter teve que coordenar a entrada entrada para seu comício na segunda-feira à tarde, direcionando os participantes para uma sala cheia, enquanto Klobuchar subia ao palco e anunciava seu crescimento nas recentes pesquisas de New Hampshire e o endosso de vários jornais do estado .

"Como você provavelmente já ouviu falar, estamos perto", disse ela. Klobuchar evitou críticas diretas a seus rivais, mas descartou o que ela chamou de "slogans de adesivos para carros" como "faculdade gratuita para todos", uma referência óbvia às propostas expansivas de Sanders e da senadora Elizabeth Warren , de Massachusetts.

Ainda mais impressionante foi a decisão de Biden na segunda-feira de suspender os duros ataques negativos que ele havia feito a Buttigieg no fim de semana.

Depois de alegar que Buttigieg tinha um currículo fraco que poderia comprometer as esperanças dos democratas de derrotar Trump, e afirmando que "esse cara não é Barack Obama", Biden voltou na segunda-feira sua atenção para um oponente contra quem se sente mais à vontade: Donald Trump.

Essa recalibração ocorreu porque sua campanha decidiu “jogar a toalha” em New Hampshire, onde Biden reconheceu no debate da semana passada que ele provavelmente "sofreria um golpe". A falta de minorias raciais no estado foi fundamental para a decisão. 

"Diversos estados vão se pronunciar antes de decidirmos quem é o candidato", disse Kate Bedingfield, vice-gerente de campanha de Biden, a repórteres, aludindo a Nevada e Carolina do Sul, que estão cheias dos tipos de eleitores negros e hispânicos que há muito tempo são determinantes nas prévias de indicação democrata.

Ela não está sozinha nessa expectativa. Depois de décadas em que New Hampshire selecionou os candidatos de primeira linha, e deixou apenas dois ou três na batalha pela indicação, os cinco principais candidatos aqui estão determinados a seguir em frente. Os problemas financeiros podem mudar esses cálculos, mas, por enquanto, quase todas as campanhas antecipavam uma longa primária, com uma batalha de estado a estado por delegados que poderiam durar até o meio do ano.

Jeff Weaver, um dos principais conselheiros de Sanders, disse que, assim que New Hampshire o apoiasse, eles viajariam para alguns dos 15 estados que votariam na Super Terça, em 3 de março.

"Você verá, mesmo antes de Nevada, que ele estará visitando os estados da Super Terça-feira", disse Weaver, citando dois: Califórnia e Colorado. "A Super terça-feira está no ar", acrescentou.

Enquanto os dois bilionários, Tom Steyer e Michael Bloomberg, gastam mais dinheiro em propagandas para a Super Terça-feira, Sanders é o único outro candidato líder que já tem uma compra substancial de publicidade nos estados que antecedem a Super-Terça. 

Para Buttigieg e Klobuchar, Nevada parece ainda maior que a Super Terça-feira. Até esse momento, os dois moderados do Centro-Oeste se beneficiaram de um calendário antecipado, focado em estados pequenos e relativamente homogêneos, e nenhum deles ainda construiu o tipo de nacionalidade racialmente diversa que provavelmente prevalecerá nas primárias de março.

Exceto uma hecatombe em New Hampshire, as duas campanhas veem Nevada como uma oportunidade crucial para expandir seu apelo antes que o mapa principal cresça em grande escala.

Dos dois, Buttigieg está melhor posicionado na maioria dos aspectos, com um perfil nacional mais proeminente, uma máquina de captação de recursos mais forte e uma organização mais desenvolvida em Nevada.

Klobuchar, no entanto, foi encorajada pelo movimento aparentemente rápido em sua direção nas pesquisas de New Hampshire após o debate de sexta-feira passada - uma mudança, dizem seus aliados, que sugere que ela tem amplo espaço para crescer em outros estados, à medida que os eleitores se sintonizem mais atentamente a seus interesses. Há outro debate agendado para o meio da semana que vem, oferecendo pelo menos o potencial de repetir o desempenho antes dos caucus de Nevada.

Klobuchar já transferiu membros de sua equipe de campo de Iowa para Nevada, de acordo com um consultor de campanha, e a própria candidata planeja chegar ao estado na quinta-feira para um fórum organizado por Lulac, um grupo de defesa latino. "Ah, sim, nós estamos indo para Nevada", disse ela a caminho do evento em Exeter. "Temos nossa equipe lá, vamos fazer comícios lá".

Os caucus de Nevada parecem não ser menos importantes para Elizabeth Warren, já que as pesquisas sugerem que terminará em algum lugar no meio do pelotão em New Hampshire.

De fato, na véspera da primária de terça-feira, Warren telefonou para uma estação de rádio em Las Vegas, a KCEP, para uma entrevista durante o tempo de viagem. Sem um resultado bom em Nevada, Warren poderia ser pressionada a encontrar outra oportunidade de recuperar o tipo de momento político que lhe permitiria conquistar estados na Super Terça-Feira, além de seu estado natal, Massachusetts. 

Mas a campanha de Warren também indicou que sua intenção é olhar para a Super Terça-feira antes mesmo do fim da prévia em Nevada, e tanto Warren quanto seus conselheiros têm repetidamente sinalizado que estão participando de uma campanha de meses de coleta de delegados para uma possível luta na convenção. 

Ela planeja fazer campanha na quinta-feira na Virgínia, um dos estados que votam em 3 de março, e já enviou um de seus principais conselheiros, Julián Castro, para o Colorado, que vota no mesmo dia.

Mas, enquanto os candidatos menos financiados se preparavam para a cascata de estados nas próximas três semanas, eram os dois candidatos nos pólos ideológicos do partido que estavam cada vez mais na mente de muitos democratas.

"Estou preocupado com Bernie ser o candidato, acho que seria destrutivo para o Partido Democrata", disse Martha Fuller Clark, uma antiga senadora do estado de New Hampshire que apoia Biden.

Mas em um dia em que uma nova pesquisa nacional foi publicada, mostrando Bloomberg cortando a liderança de Biden entre os eleitores negros, Fuller Clark disse que democratas comuns como ela tinham outra preocupação igualmente premente em sua mente.

"Nenhum de nós sabe o que vamos fazer com Bloomberg", disse ela sobre o ex-prefeito de Nova York, que já gastou mais de US$ 300 milhões em publicidade. "Esse é o verdadeiro desafio."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.