New York Times exige "mais liderança" de Bush

O jornal New York Times considerou nesta quinta-feira insuficiente a simples determinação do presidente George W. Bush de castigar os que organizaram os atentados contra o World Trade Center e o Pentágono e exigiu dele maior "liderança". O Times também exigiu de Bush determinação para transmitir confiança na recuperação da economia dos EUA e o acusou de ser "uma personalidade ainda não examinada pelos olhos de muitos norte-americanos". "George W. Bush enfrenta múltiplos desafios, mas sua tarefa mais importante é uma simples questão de liderança", e "a nação, insegura devido aos ataques terroristas, necessita ver seu presidente tendo pleno controle e pronto para adotar duras decisões por justas razões", acrescentou. ?Fragilidade?O Times também acusou a atual administração Bush de ter dedicado grande parte da quarta-feira "a tentar reverter a impressão de que Bush se mostrou frágil quando, depois dos ataques terroristas, não retornou imediatamente a Washington"."E esta não é a (questão) que mais preocupa o povo norte-americano, se se considerar que o serviço secreto pode ter percebido que Bush estaria mais seguro em qualquer outra parte, porque o país está preparado para aceitar essa decisão", disse.O que fazer"O que preocupa agora é o quê Bush planeja fazer no futuro", colocou o Times para o presidente que, à frente da Casa Branca desde 20 de janeiro, enfrenta um múltiplo atentado terrorista, o maior risco à segurança nacional em comparação com o que qualquer dos seus predecessores possa ter enfrentado. O jornal considerou "uma boa notícia" que Bush tenha começado a visitar os locais dos ataques e disse que, embora Nova York nunca tenha se sentido muito próxima deste chefe da Casa Branca, "os nova-iorquinos necessitam certificar-se, nesta crise, de que ele é também o seu presidente". RetoquesPara o Times, em um momento de guerra como este, Bush precisa dar retoques em seu governo, "mas (também) necessita chegar ao outro lado... até os líderes democratas do Congresso, tanto em busca de idéias como de apoio". "O desafio deve incluir um reescalonamento das prioridades nos assuntos de defesa e segurança, algo que não pode ser levado adiante sem transcender a política partidária", disse o jornal. Defendeu também a idéia de que Bush "demonstre que sabe o que está fazendo" uma vez que, em seu caso particular, "chegou à Casa Branca pouco preparado em assuntos internacionais", embora "isto não indique que ele seja incapaz de enfrentar um problema". NervosismoO editorial explicou que "isto significa que a nação o observará com nervosismo, ansiosa por receber garantias de que ele está tomando sábias decisões". "A melhor maneira de Bush ganhar a confiança do país é através da freqüente aparição em público, sem temer responder às perguntas", sublinhou o Times. O jornal criticou ainda o estilo econômico do atual presidente e disse que ele não transmite confiança em suas declarações e suas ações. "Bush deveria convocar os líderes empresariais e especialistas econômicos para mostrar que fará o que for necessário para restaurar a confiança e ajudar as finanças da nação a retomarem seu passo", exigiu o Times.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.