New York Times terá ombudsman a partir do dia 1º

O jornal The New York Times anunciou hoje que terá seu primeiro ombudsman, cargo criado especialmente depois dos escândalos que puseram em risco a credibilidade da publicação. O executivo Daniel Okrent, de 55 anos, assumirá a função no dia 1º e já no dia 8 publicará a primeira colaboração. O escândalo em torno do jornal surgiu com a descoberta de que o repórter Jayson Blair plagiava textos ou inventava informações. O caso desencadeou várias autocríticas e a caça aos responsáveis que culminou na demissão, em junho, dos editores-chefe, Howell Raines e Gerald Boyd. Mais tarde, Rick Bragg, um dos ganhadores do Pulitzer, saiu do jornal sob alegação de que um jornalista que não era da equipe deu informações inverossímeis sob seu nome. Um comitê de jornalistas fez uma investigação do que não ia bem no jornal e recomendou a contratação de um "mediador" com o público para prevenir problemas futuros. Ao escolher Okrent, cujo contrato dura 18 meses, o Times seguiu o caminho de muitos outros, levando para sua equipe uma pessoa de fora dos negócios do jornal. O executivo tem longa carreira em revistas e editoras de livros, mas não em jornais. "Queríamos que o primeiro ocupante desse cargo fosse alguém inteligente, curioso, rigoroso, imparcial e independente", disse o editor-executivo do Times, Bill Keller. Okrent fundou o New England Monthly, premiado duas vezes com o National Magazine de excelência, e ocupou altos postos na Esquire e na Time Inc. Como ombudsman, ele escreverá na prestigiosa seção Week in Review. A coluna divulgará as críticas dos leitores, assim como a opinião dele sobre a abordagem de determinados assuntos publicados no Times.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.