EFE/Bienvenido Velasco
EFE/Bienvenido Velasco

Nicarágua concorda em parar atos de violência e anuncia trégua de 2 dias

Governo quer estabelecer um diálogo nacional com o objetivo de superar crise que já matou, pelo menos, 61 pessoas

O Estado de S.Paulo

19 Maio 2018 | 03h38

O governo da Nicarágua se comprometeu, na última sexta-feira, 18, em acabar com os atos de violência e anunciou uma trégua de dois dias, no marco de uma mesa de diálogo nacional que tem como objetivo tentar superar uma crise que culminou com a morte de pelo menos 61 pessoas.

"A mesa de diálogo alcançou os seguintes pontos de entendimento: a urgência de deter os atos de violência, segundo o consignado na carta da Conferência Episcopal de data de 11 de maio deste ano", disse o cardeal nicaraguense Leopoldo Brenes, ao ler os acordos.

Brenes disse que "todos os setores estão empenhados em realizar uma trégua no sábado, dia 19, e no domingo, dia 20 de maio, onde o governo se compromete em mandar a polícia para os quarteis, assim como as forças de choque e simpatizantes".

A sociedade civil deve unir forças para promover melhores condições de diálogo, normalizar o trânsito e continuar em um melhor clima na segunda-feira, dia 21 de maio, acrescentou. Da mesma forma, todos os setores reconheceram a necessidade imperativa de respeitar o direito de reunião, manifestação e protesto cívico e pacífico.

+ Após mortes, Ortega enfrenta protestos por fim de autoritarismo na Nicarágua

+ Entrevista: 'Instabilidade na Nicarágua é a pior desde que Ortega voltou'

Sobre a questão de justiça, a presença na mesa de diálogo da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) como instituição investigadora que favorece o esclarecimento dos fatos e a verdade, como um direito fundamental do povo, com o objetivo de buscar uma saída para a crise do país.

Além disso, agradeceram e apoiaram o trabalho da CIDH na Nicarágua, particularmente quanto às investigações e esclarecimento sobre os fatos ocorridos em abril e a adoção urgente de medidas cautelares para a segurança dos jovens.

Esta mesa de diálogo também foi colocada à ordem para colaborar com a missão da CIDH.

+ Nicarágua estuda diálogo nacional para encerrar crise

As partes assumiram esse compromisso no Seminário Inter-Diocesano Nossa Senhora de Fátima, sede do diálogo, localizado no oeste da capital, durante a segunda sessão desse fórum que reúne representantes do governo, setor privado, estudantes, universidades e sociedade civil, com a mediação da Igreja Católica. /EFE

 

Mais conteúdo sobre:
Nicarágua [América Central]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.