Nicarágua diz ter autorizado presença militar russa

O presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, disse na quinta-feira ter autorizado o ingresso de três navios militares russos nas águas territoriais do seu país. Manágua e Moscou foram aliados na década de 1980, durante a Guerra Fria, quando Ortega foi presidente pela primeira vez - ele voltou ao poder em 2007. O ex-revolucionário sandinista disse ter enviado nesta semana autorização ao Congresso, que precisa dar aval à entrada dos barcos. Ortega disse que os russos participarão de um "plano de cooperação amistosa". "Esses barcos estão a poucas horas de chegar às águas do mar territorial nicaragüense, e estamos nos preparando para recebê-los", disse Ortega a oficiais do Exército. Ele afirmou que o Congresso pode dar autorização "a posteriori", já que não realizou sessões nesta semana devido a protestos da oposição. A Rússia diz que o navio Almirante Chabanenko e dois barcos de apoio chegariam na sexta-feira ao porto de Bluefields, no Caribe. No começo de dezembro, as embarcações participaram de manobras conjuntas com a Venezuela no Caribe, o que irritou os EUA. Posteriormente, o Almirante Chabanenko visitou uma antiga base militar norte-americana no canal do Panamá. Manágua se aproximou da Rússia em agosto, ao reconhecer a independência das províncias separatistas georgianas da Abkházia e Ossétia do Sul, protegidas por Moscou. Na década de 1980, a então União Soviética, junto com Cuba, patrocinou o regime revolucionário de Ortega, enquanto os EUA financiavam uma milícia contra-revolucionária. (Reportagem de Iván Castro)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.