Oswaldo Rivas/REUTERS
Oswaldo Rivas/REUTERS

Nicarágua rompe relações diplomáticas com Taiwan e reconhece 'uma China'

Taiwan é 'parte inalienável do território chinês', afirmou governo Ortega

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de dezembro de 2021 | 23h28

MANÁGUA - A Nicarágua encerra mais de duas décadas de relações diplomáticas com Taiwan ao reconhecer que, para o governo de Daniel Ortega, "no mundo só existe uma China" liderada por Pequim, num momento em que o país está sujeito a sanções dos Estados Unidos.

A Nicarágua "rompe relações diplomáticas com Taiwan a partir de hoje e deixa de ter qualquer contato ou relacionamento oficial", disse Moncada em um comunicado oficial.

"A República Popular da China é o único governo legítimo que representa toda a China e Taiwan é uma parte inalienável do território chinês", acrescentou.

A decisão vem em um momento de tensão crescente entre China e Estados Unidos sobre Taiwan, mas também após o endurecimento das sanções americanas contra Ortega, que foi reeleito em novembro para um quarto mandato consecutivo com a maioria de seus rivais na prisão.

Nesta mesma quinta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, alertou sobre "desafios contínuos e alarmantes" para a democracia no mundo, durante uma cúpula que sediou e na qual não convidou a China, que descreve como uma autocracia.

Pelo contrário, ele convidou Taiwan, uma ilha governada separadamente da China desde 1949, quando no final da guerra civil o governo nacionalista derrotado pelos comunistas se refugiou lá.

O governo taiwanês reagiu quase imediatamente à decisão de Manágua com "sincera dor e pesar pela decisão unilateral da Nicarágua de romper as relações diplomáticas" com Taipei, disse o Ministério das Relações Exteriores da ilha.

O sociólogo e economista Oscar René Vargas avaliou que essa ruptura é produzida a partir das sanções dos Estados Unidos contra a Nicarágua, pelas quais Ortega, vendo-se isolado, busca "apoio político da China".

O presidente de 76 anos, segundo Vargas, quer com esse movimento diplomático se aproximar “da Rússia e da China, na crença de que isso é um guarda-chuva e que lhe permite ter um espaço internacional, pelo menos nas Nações Unidas. "

Depois dessa ruptura nas relações, Taiwan fica com Honduras, Guatemala e Belize como aliados na América Central.

No entanto, a presidente eleita de Honduras, Xiomara Castro, disse durante sua campanha que abriria relações com a China continental - em contraste com o presidente cessante, Juan Orlando Hernández, que estava visitando Taipé antes das eleições para reafirmar seu compromisso com a ilha.

Após a vitória de Castro em 28 de novembro, o presidente taiwanês Tsai Ing-wen confiou no Twitter que seu homólogo hondurenho escolheria "aprofundar os laços tradicionais que sempre uniram Taiwan e Honduras".

Relacionamentos fluidos

Até agora, Taiwan manteve uma cooperação fluida com a Nicarágua em áreas como saúde, agricultura, tecnologia e projetos sociais, principalmente habitação.

Várias empresas maquiladoras de origem taiwanesa operam e criam empregos no país desde o final da década de 1990.

A balança comercial entre Nicarágua e Taiwan supera os 100 milhões de dólares, com produtos como café, frutos do mar, açúcar e carne bovina, segundo dados da mídia ligada ao governo.

A ilha também foi um apoio importante para Manágua após a passagem dos furacões Eta e Iota há um ano no Caribe, bem como durante a pandemia de covid-19.

O Embaixador taiwanês Jaime Chin Wu-Mu concluiu sua missão em Manágua em 12 de novembro e foi homenageado pelas autoridades nicaraguenses.

Ao chegar ao poder em 2007, o ex-guerrilheiro Ortega, da Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN, à esquerda), expressou seu desejo de estabelecer relações com a China e Taiwan ao mesmo tempo, "sem excluir condições".

Mas a China exige que seus aliados diplomáticos não mantenham laços oficiais com Taiwan.

Durante o primeiro governo sandinista (1979-1990), a Nicarágua estabeleceu relações com a China (1985), mas estas foram suspensas durante a gestão da ex-presidente Violeta Chamorro (1990-1997), que por sua vez estabeleceu laços com Taiwan que haviam sido mantidos. ininterruptamente até o momento.

Os outros membros das Nações Unidas com os quais mantém relações são o Paraguai, na América do Sul; Haiti, Saint Kitts e Nevis, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, no Caribe; Ilhas Marshall, Nauru, Palau, Tuvalu, da Oceania; e Eswatini, na África. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.