Andy Rain/Efe
Andy Rain/Efe

Nick Clegg já é chamado de 'Obama britânico' após debate na TV

Desempenho no programa contra Cameron e Brown colocou as atenções no liberal democrata

Daniela Milanese, da Agência Estado

20 de abril de 2010 | 15h53

LONDRES - O líder do Partido Liberal Democrata, Nick Clegg, já começa a ser comparado ao presidente dos EUA, Barack Obama, pela imprensa britânica. O desempenho surpreendente do até então desconhecido político no debate pela TV na semana passada provocou uma ascensão meteórica nas pesquisas, que agora colocam a legenda de esquerda perto dos tradicionais partidos do país, o Conservador, liderado por David Cameron, e o Trabalhista, do primeiro-ministro Gordon Brown.

Clegg se coloca como uma alternativa aos partidos que dominam a política britânica há mais de 60 anos. Com ideias mais progressistas, ele ganha espaço em um ambiente dominado pela crise econômica e os escândalos provocados pelos gastos abusivos dos parlamentares, que quase derrubaram Brown no ano passado.

Artigo do jornal The Guardian diz que, apesar das diferenças, Clegg é a "versão britânica de Obama". Formado em arqueologia e antropologia pelo Robinson College, em Cambridge, ele é filho de mãe holandesa, pai russo e casado com uma espanhola. Enquanto Obama emplacou o slogan "Sim, nós podemos", Clegg usa o "Eu concordo com Nick".

A popularidade repentina e o movimento já chamado de Cleggmania fazem vários outros órgãos de imprensa levantarem questionamentos sobre as semelhanças e diferenças com o presidente dos EUA. Em seu programa de governo, ele fala sobre os perigos da relação de "subserviência" com os Estados Unidos, referindo-se às consequências da invasão do Iraque. Clegg também questiona os gastos de 120 bilhões de libras para manutenção do sistema de mísseis usado durante a Guerra Fria. Em contraste, há referências positivas à necessidade de relacionamento e maior cooperação com a União Europeia.

No debate da semana passada, ele questionou os adversários sobre a falta de detalhes sobre os cortes para combater o déficit público. Numa tentativa de se diferenciar, disse que era preciso sinceridade para tratar do problema, pois estava claro que o país teria de fazer esforços diante da explosão da dívida pública. Seu programa de governo traz uma proposta detalhada para cortar o déficit público. Ele também defende maior cooperação com a União Europeia.

Em razão de suas raízes, está sendo acusado de adotar postura mais maleável com a imigração, tema sensível para a população britânica, principalmente em meio à alta do desemprego. Tanto Brown quanto Cameron defendem a redução do fluxo de estrangeiros para o país. O líder do Partido Conservador propõe até a imposição de uma cota anual de imigrantes no país. Clegg defende um sistema de imigração "firme, mas justo".

O crescimento de Nick Clegg nas pesquisas obrigou seus adversários a improvisar críticas a um concorrente que até então estava alheio ao debate. Tanto o conservador Cameron quanto o trabalhista Brown passaram a atacar Clegg e seu partido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.