Benoit Tessier
Benoit Tessier

Nicolas Sarkozy será julgado por ligação com ditador líbio

Depois de dois dias de depoimento, ex-presidente francês vai responder processo por ‘corrupção passiva’ e ‘financiamento ilícito de campanha’

O Estado de S.Paulo

21 Março 2018 | 21h01

PARIS - O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy foi indiciado nesta quarta-feira, dia 21, acusado de ter recebido financiamento ilegal do regime líbio, na época governado por Muamar Kadafi, para a campanha presidencial de 2007. Sarkozy vai responder agora ao seu terceiro processo na Justiça.

+ Kadafi teria financiado Lula e comprado apoio de líderes africanos

+ Filho de Kadafi concorrerá às eleições presidenciais da Líbia

Sarkozy, de 63 anos, é acusado de “corrupção passiva”, “financiamento ilícito de campanha eleitoral” e “acobertamento de fundos públicos líbios”. O ex-presidente conservador, que nega todas as acusações, foi liberado e voltou para casa na quarta-feira, 21, após ter sido interrogado ao longo de dois dias no Escritório Central de Luta contra a Corrupção e as Infrações Financeiras e Fiscais de Nanterre, perto de Paris.

O ex-presidente (2007-2012) tinha sido detido na manhã de terça-feira e foi interrogado por 26 horas, com uma pausa para dormir em casa na noite de terça para quarta-feira.

A Justiça francesa abriu uma investigação judicial, em 2013, depois que o portal de investigações Mediapart revelou um documento do ex-chefe do serviço de inteligência líbio provando que Kadafi havia aceitado financiar com ¤ 50 milhões a campanha presidencial de Sarkozy. 

O caso é o escândalo político mais notório da França e uma das várias investigações legais que perseguem Sarkozy desde que deixou a presidência, em 2012. Há dois processos em trâmite contra o ex-presidente: um sobre o financiamento de sua campanha, de 2012, e outro sobre o grampo de um magistrado que o investigava. 

“Estou depondo em uma audiência livre. As explicações permitirão encerrar uma sucessão de erros e mentiras contra mim”, escreveu Sarkozy em sua conta no Twitter.

As suspeitas sobre Sarkozy têm como base testemunhos e documentos obscuros. A primeira suspeita apareceu em março de 2011, quando a França acabava de reconhecer a oposição do regime líbio como único interlocutor. Na ocasião, o filho de Kadafi, Seif al-Islam, fez a primeira acusação: “Sarkozy deve devolver o dinheiro que recebeu!”

Outro testemunho é o do suposto intermediário dessas operações, o franco-libanês Ziad Takieddine, que admitiu ter entregado três malas de dinheiro em espécie do líder líbio, em 2006 e em 2007, para ajudar Sarkozy a chegar ao poder.

+ Ex-presidente Sarkozy votará em Macron para evitar triunfo de Le Pen

Segundo a agência anticorrupção francesa, circularam quantias importantes de dinheiro em espécie entre a equipe do então candidato durante a campanha presidencial de 2007. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.