Juan Barreto / AFP
Juan Barreto / AFP

'Nicolasito', de uma vida extravagante a candidato à Constituinte

Nicolás Ernesto Maduro Guerra, filho do presidente venezuelano, concorre domingo à controvertida assembleia que reescreverá a Carta Magna do país

O Estado de S.Paulo

28 Julho 2017 | 16h32

CARACAS - Economista, "soldado de Chávez" e filho do presidente venezuelano, "Nicolasito" Maduro era conhecido, até então, por suas extravagâncias, como tomar um "banho de dólares". Agora, resolveu entrar na arena política como candidato à Assembleia Constituinte convocada por seu pai.

Nos comícios, o único filho do presidente faz uso da palavra ao lado de pesos pesados do chavismo, e seu discurso segue a escola de Hugo Chávez - morto em 2013 -, carregado de ditados "criollos" e de analogias de beisebol, que também herdou do pai.

"Está de ressaca? Tome uma sopinha e saia para votar", afirmou Nicolás Ernesto Maduro Guerra, de 27 anos, alto e corpulento como seu pai.

Sua apresentação no Twitter diz que é formado em Economia, flautista do aclamado sistema de orquestras juvenis, "soldado de Chávez além da vida" e, agora, candidato à Constituinte para representar o setor dos trabalhadores.

"Nicolasito" é fruto do primeiro casamento do presidente, que, em julho de 2013, depois de assumir a presidência, casou-se em segundas núpcias com Cilia Flores. A "primeira-combatente", como Maduro a chama, também disputa uma vaga na assembleia que mudará a Constituição.

"Nicolasito" viralizou nas redes sociais em março de 2014 depois de ser visto em um vídeo, dançando sob "uma chuva de dólares", em um casamento realizado em um luxuoso hotel de Caracas.

O fato ocorreu quando a crise econômica, a inflação alta e a escassez de alimentos e de remédios já afetavam a população.

Ele foi também um dos primeiros a reagir ao vídeo, no qual o filho do Defensor do Povo, Tarek William Saab, pediu a seu pai que rompesse com o governo pela repressão aos protestos opositores.

Em quatro meses, 108 pessoas morreram em atos relacionados às manifestações contra o governo.

"Pai, neste momento, você tem o poder de acabar com a injustiça que afundou o país. Peço - como filho e em nome da Venezuela, país ao qual você serve -, que reflita e faça o que tem de fazer", afirmou Yibram Saab, ao ler uma carta no vídeo, muito criticado por "Nicolasito".

A política nunca foi desconhecida para "Nicolasito", que tinha 8 anos quando Chávez chegou ao poder, tendo Maduro como um de seus mais próximos colaboradores.

Com a morte de "El Comandante" e com o pai lançado à presidência em 2013, multiplicou suas aparições públicas. Em muitas fotos, posa com sua flauta.

Depois de vencer as eleições, o governo criou três cargos de alto escalão para ele.

O primeiro foi de chefe de um corpo anticorrupção da presidência. Em 21 de junho de 2014, dia de seu aniversário, ganhou de presente o cargo de diretor de uma escola de cinema. E, por fim, diretor-geral das delegações presidenciais na vice-presidência. / AFP

 

Mais conteúdo sobre:
Venezuela [América do Sul]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.