Nigéria: 9 agentes de vacinação contra pólio são mortas

Pelo menos nove mulheres que participavam de uma campanha de vacinação contra a poliomielite no norte da Nigéria foram assassinadas nesta sexta-feira, informaram autoridades locais. A polícia acredita que elas tenham sido mortas por seguidores de uma seita radical islâmica contrária à vacinação contra a paralisia infantil.

AE, Agência Estado

08 de fevereiro de 2013 | 12h50

Os assassinatos chocaram os moradores de Kano, maior cidade do norte nigeriano, uma região onde a maioria da população é muçulmana. Em muitas áreas de Kano, as agentes da campanha de vacinação vão de casa em casa para imunizar as crianças.

A vacinação contra a poliomielite é motivo de tensão no norte da Nigéria, onde diversos clérigos islâmicos opõem-se às campanhas patrocinadas tanto pelo governo quanto por agências filiadas à Organização das Nações Unidas (ONU). Eles alegam, entre outras coisas, que a imunização seria um complô liderado pelos Estados Unidos para tornar os muçulmanos inférteis ou infectá-los com o vírus causador da aids.

A Nigéria é, na atualidade, um dos poucos países onde a pólio ainda é considerada endêmica.

Crianças com menos de cinco anos são as principais vítimas da doença. O contágio se dá quando pessoas não vacinadas entram em contato com as fezes de pessoas contaminadas com o vírus, geralmente através da água. Ela ataca o sistema nervoso, provoca paralisia, atrofia muscular, deformação e, em muitos casos, a morte. Apenas uma em cada 200 crianças infectadas desenvolve os sintomas. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Nigériapólioassassinatos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.