Nigéria chama de volta para consultas diplomatas na África do Sul

A Nigéria chamou de volta para consultas seus principais diplomatas na África do Sul por causa da "contínua xenofobia contra imigrantes", segundo um comunicado do governo.

Estadão Conteúdo

26 de abril de 2015 | 16h48

Sete pessoas foram mortas nos ataques contra imigrantes que iniciaram há três semanas na África do Sul. Propriedades foram destruídas e a violência "gerou medo e incerteza nas mentes dos imigrantes africanos", dizia o comunicado do Ministério das Relações Exteriores.

O embaixador da Nigéria em Pretória, capital da África do Sul, e o cônsul-geral em Johannesburgo, irão retornar à Nigéria para consultas.

O comunicado, divulgado no sábado, salientou o fato de muitos sul-africanos terem organizado e participado de marchas pela paz e que o presidente do país, Jacob Zuma, condenou os ataques, assim como Goodwill Zwelithini, o rei Zulu, cujos comentários anteriores teriam incitado a violência.

Políticos nigerianos pediram que o governo da África do Sul repare os danos causados aos imigrantes e um grupo de direitos humanos nigeriano fez reclamações à Corte de Justiça Internacional.

No domingo, o governo da África do Sul criticou a ação do governo nigeriano e classificou-a como "uma medida infeliz e lamentável", em um comunicado divulgado pelo Departamento Internacional de Cooperação. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.