Nigéria começa a enterrar vítimas de explosão de oleoduto

O governo da Nigéria iniciou neste sábado o enterro em massa das cerca de 200 pessoas que morreram na explosão de um oleoduto nas proximidades de Lagos, a capital econômica do país.Segundo o comissário de Saúde, Tolani Kasali, que foi ao local do acidente, na praia de Inagbe, a 45 quilômetros de Lagos, o governo contrata mergulhadores para recolher o restante dos corpos, que continuam submersos nas águas do epicentro da explosão.A maioria dos cadáveres recolhidos até o momento estão carbonizados e amontoados em uma grande vala coletiva.Segundo as primeiras informações da polícia, a explosão aconteceu na manhã de sexta-feira, nas proximidades do Porto de Atlas Cove, depois que um galão com petróleo roubado por um grupo de ladrões explodiu. Acredita-se que o acidente tenha ocorrido por causa do calor de um dos motores do barco que seria usado na fuga.Uma localidade próxima à área foi atingida e famílias inteiras morreram.Localização O oleoduto, pertencente à estatal Corporação Nacional Nigeriana de Petróleo (NNPC, na sigla em inglês), fica a menos de um metro de profundidade na praia Inagbe, em uma das várias ilhas de Lagos.A polícia confirmou ter encontrado dois motores queimados na praia, o que confirma que os ladrões chegaram em botes e lanchas.Os oleodutos nigerianos são freqüentemente perfurados para o roubo de combustíveis, que são vendidos no mercado negro.Opep A Nigéria é membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e sua cota de produção é a sexta maior do mundo, chegando a 2,5 milhões de barris diários.Entretanto, a riqueza vinda do petróleo não chega às populações das regiões produtoras, que vivem na extrema pobreza e muitas vezes recorrem ao roubo e à venda ilegal de combustíveis para sobreviver.Em Bali, o presidente nigeriano, Olusegun Obasanjo, que participa da quinta cúpula dos oito países muçulmanos em desenvolvimento (D-8), expressou suas condolências aos parentes das vítimas e ordenou que a Polícia garanta uma maior proteção aos oleodutos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.