Nigéria diz que 135 combatentes do Boko Haram se renderam; "falso líder" está morto

Mais de 130 combatentes islâmicos do Boko Haram se renderam às forças nigerianas, e um homem que se fazia passar por líder do grupo em numerosos vídeos foi morto nos combates, informaram os militares nesta quarta-feira.

REUTERS

24 de setembro de 2014 | 20h03

O Exército intensificou as operações militares contra o Boko Haram no nordeste remoto desde que os rebeldes ocuparam várias pequenas cidades e declararam a área que controlam “um território muçulmano”.

O grupo, que já matou milhares em cinco anos de ataques-relâmpago contra instalações militares e civis, tornou-se cada vez mais ambicioso nos dois últimos meses e passou a tentar conquistar e manter territórios no maior produtor de petróleo da África.

O Exército afirmou que 135 combatentes do Boko Haram entregaram as armas às tropas na terça-feira na cidade de Biu, no nordeste do país, perto do epicentro da campanha do grupo para instituir um Estado islâmico.

Os militares acrescentaram que o Boko Haram também tentou tomar a cidade de Konduga, perto da fronteira com Camarões, entre 12 e 17 de setembro, mas que foi repelido por forças aéreas e terrestres.

“No curso destes embates, um certo Mohammed Bashir, que vinham agindo ou posando nos vídeos como o falecido Abubakar Shekau… conhecido como líder do grupo, morreu”, disse o porta-voz da Defesa, major-general Chris Olukolade.

(Reportagem adicional de Tim Cocks e Camillus Eboh)

Mais conteúdo sobre:
NIGERIABOKOHARAM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.