MICHAH FARFOUR/EFE
MICHAH FARFOUR/EFE

Nigéria e Chade atacam posições do Boko Haram

Países iniciaram ofensiva contra extremistas islâmicos sediados em território nigeriano; campanha aérea começou na segunda-feira

O Estado de S. Paulo

04 de fevereiro de 2015 | 11h34

Jatos da Nigéria e do Chade bombardearam uma série de cidades e vilas tomadas pelo grupo Boko Haram na região nordeste nigeriana nesta quarta-feira, 4, na maior ofensiva realizada contra os extremistas islâmicos, cuja violência se espalha pelas fronteiras do país.

As bem sucedidas operações acontecem depois de autoridades da União Africana terem se reunido em Camarões para finalizar o mandato para a criação de uma força multinacional de 7.500 homens com o objetivo de combater os extremistas, que nos últimos meses tomaram mais de 130 cidades e vilas nos Estados nigerianos do nordeste do país, que fazem fronteira com Camarões, Chade e Níger. O Boko Haram mantém as cidades há meses, algumas desde agosto.

Jatos nigerianos começaram a realizar os bombardeios na segunda-feira, na floresta de Sambisa, onde os extremistas têm acampamentos e para onde levaram, primeiramente, cerca de 300 meninas de uma escola interna em abril de 2014.

"Durante a noite, ouvimos sons distantes de explosões", disse, por telefone, Bulama Danbayo, que mora na cidade de Madagali, Estado de Adamawa. "Ficamos todos aterrorizados, mas alguns dos soldados estacionados aqui nos disseram para não nos preocuparmos, que foram os soldados que haviam dado início aos bombardeios na floresta de Sambisa."

O Exército do Chade disse em comunicado que suas tropas foram atacadas na terça-feira em Camarões pelo Boko Haram. "Nossas valentes forças responderam vigorosamente. Uma perseguição foi iniciada imediatamente até a base deles, em Gamboru e Ngala (na Nigéria), onde eles foram completamente dizimados."

Mais de 200 extremistas foram mortos, afirmaram os militares chadianos, enquanto nove soldados perderam suas vidas.

O porta-voz da nigeriano para questões ligadas aos insurgentes, Mike Omeri, disse que as duas cidades foram recapturadas, mas não deu crédito às forças chadianas. Em comunicado divulgado na terça-feira, Omeri afirmou que nesta semana forças nigerianas "libertaram da presença do Boko Haram" mais de dez cidades do nordeste do país.

O porta-voz do Ministério da Defesa, brigadeiro general Chris Olukolade, disse que a presença de tropas estrangeiras em território nigeriano não compromete de forma alguma a soberania do país do oeste africano. Forças nigerianas não têm sido capazes de conter a insurgência sem ajuda externa. A Nigéria é o país mais populoso da África, com cerca de 170 milhões de habitantes, além de ter a maior economia e ser o maior produtor de petróleo do continente. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.