Nigéria encontra mais 33 vítimas de culto macabro

A polícia nigeriana informa a descoberta de mais 33 cadáveres numa floresta próxima ao local onde uma seita supostamente realizava rituais de assassinato, elevando o número de mortes ligadas ao culto a 83. A polícia do Estado de Anambra invadiu casas e fez buscas em dois trechos de floresta semana passada, descobrindo os 50 primeiros corpos - alguns decapitados - e cerca de 20 crânios.A polícia nigeriana apresentou a jornalistas cinco homens sujos e abatidos na capital, Abuja, e uma fileira de 20 crânios humanos que teriam sido descobertos em oratórios domésticos ligados à seita Alusi Okija. A polícia disse que os cinco homens são alguns dos 31 sacerdotes presos por causa das mortes.A polícia acredita que parte das vítimas foi envenenada. Acredita-se que a seita pratica um ritual em que pessoas envolvidas em alguma discordância são convencidas a resolver suas diferenças bebendo uma poção que matará apenas quem estiver errado na questão.Um dos cinco homens presos defendeu as práticas da seita. ?Estou com o santuário há dois anos e nunca vi ninguém ser morto. É o santuário que mata. Os nigerianos sabem que é o santuário que mata?, disse Collins Obi, apresentado como porta-voz dos sacerdotes presos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.