Nigéria prende 92 suspeitos por ataques de seita islâmica

A polícia da Nigéria prendeu 92 suspeitos de participar de uma seita radical islâmica após uma série de ataques no nordeste da nação mais populosa da África, disse um porta-voz da polícia nesta sexta-feira.

IBRAHIM MSHELIZZA, REUTERS

31 de dezembro de 2010 | 11h40

Segundo a polícia, a seita Boko Haram, que quer a imposição de leis islâmicas estritas na Nigéria, estava por trás da morte de ao menos 16 pessoas em três ataques ocorridos nesta semana em Maiduguri, capital do estado de Borno.

"A polícia em Borno prendeu 92 supostos membros da Boko Haram, incluindo seus financiadores, e levou-os ao quartel da força policial em Abuja para interrogação e instauração de processo", disse o porta-voz Abubaker Abdullahi.

A seita também alegou responsabilidade pelos bombardeios da véspera de Natal na cidade central nigeriana de Jos, ataque que matou ao menos 80 pessoas, deixando mais de 100 feridos.

O presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, espera que a polícia aumente a segurança do país enquanto ele disputa as primárias do partido governista em janeiro, que devem ser as mais difíceis em mais de uma década.

Uma crise de segurança seria desfavorável para Jonathan, pois qualquer conflito pode ser usado por rivais para prejudicar sua credibilidade.

A seita Boko Haram, cujo nome significa "educação ocidental pecadora" na língua Hausa falada no nordeste nigeriano, é inspirado no movimento talibã do Afeganistão.

Centenas de pessoas morreram em conflitos religiosos e étnicos durante o começo do ano na região central da Nigéria, onde o norte muçulmano encontra o sul predominantemente cristão.

Tudo o que sabemos sobre:
NIGERIAATAQUEPRENDE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.