Afolabi Sotunde/REUTERS
Afolabi Sotunde/REUTERS

Nigéria resgata mais 160 mulheres e crianças de acampamentos do Boko Haram

Em dois dias, 453 vítimas foram encontradas em acampamentos do grupo islamista na floresta de Sambisa, no Estado de Borno

O Estado de S. Paulo

30 de abril de 2015 | 08h58

MAIDUGURI, NIGÉRIA - Mais 160 mulheres e crianças foram resgatadas dos extremistas islâmicos do grupo Boko Haram na Nigéria nesta quinta-feira, 30, um dia após o exército anunciar o resgate de 200 meninas e 93 mulheres escondidas em acampamentos do grupo, disse um porta-voz das forças nigerianas.

O resgate ocorreu em meio a um tiroteio em nove campos extremistas na floresta de Sambisa, no Estado de Borno, matando algumas pessoas, incluindo um soldado e uma mulher. Além disso, outras oito mulheres se machucaram e quatro soldados se feriram gravemente.

Algumas das mulheres estavam tão transtornadas que chegaram a atirar contra os soldados que foram resgatá-las, de acordo com as autoridades. As mulheres e as crianças devem passar agora por uma equipe médica que irá avaliar o estado da saúde de cada uma delas, uma vez que muitas estão fortemente traumatizadas.

Ainda não se sabe se alguma das mulheres resgatadas faz parte do grupo de meninas que foram sequestradas há um ano em uma escola na cidade de Chibok.

O porta-voz alertou que ainda existem meninas de Chibok presas na floresta e que algumas foram doutrinadas para acreditar na ideologia extremista do grupo islâmico, enquanto outras foram forçadas a se casarem com os militantes.

"O trauma sofrido pelas mulheres e meninas sequestradas é horrível", disse o diretor da Anistia Internacional para a África, Netsanet Belay. "Algumas têm sido estupradas repetidamente, vendidas como escravas e doutrinadas para lutar a favor do Boko Haram", afirmou.

No início deste mês, a Anistia Internacional disse que pelo menos 2 mil mulheres e meninas foram sequestradas pelo Boko Haram desde o início de 2014. / AP e EFE

Tudo o que sabemos sobre:
NigériaBoko Haram

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.