Nigéria se opõe a sentença de apedrejamento

O governo nigeriano "se opõe totalmente" à sentença de apedrejamento emitida por uma corte islâmica contra uma mãe solteira e irá apoiar a mulher em sua ação, disse hoje o ministro nigeriano da Justiça, Kanu Agabi. Segundo ele, advogados do governo acompanharão o time legal de Amina Lawal no caso. Na segunda-feira, uma corte da cidade de Funtua, no norte do país, rejeitou um apelo de Lawal contra a sentença de apedrejamento por prática de sexo fora do casamento. A decisão provocou protestos em todo o mundo. Governos e organizações de direitos humanos pediram a intervenção da administração do presidente Olusegun Obasanjo. A Nigéria está profundamente dividida sobre a aplicação da lei islâmica, ou sharia, que prevê a amputação de membros e a morte, dependendo do delito.

Agencia Estado,

22 Agosto 2002 | 16h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.