U.S Marshals via The New York Times
U.S Marshals via The New York Times

Nigeriano que tentou explodir avião denuncia maus-tratos na prisão

Umar Abdulmutallab foi preso após tentar explodir uma bomba num voo entre Amsterdam e Detroit em 2009

O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2017 | 20h41

WASHINGTON - Umar Faruk Abdulmutallab, o nigeriano que tentou detonar um avião que se dirigia aos Estados Unidos em 2009 com explosivos ocultos em sua roupa de baixo, apresentou uma ação contra o Departamento de Justiça americano por supostos maus-tratos na prisão.

Ataque com três mulheres-bombas mata 28 na Nigéria 

Sentenciado à prisão perpétua em uma penitenciária de segurança máxima no Colorado, Abdulmutallab disse na ação apresentada na quarta-feira que teve negado o contato com membros de  sua família, foi confinado em isolamento por tempo indeterminado e, violando as disposições constitucionais, teve negada a possibilidade de praticar o Islã.

Também alegou que foi obrigado a comer carne não halal (em conformidade com as leis islâmicas) e foi forçado a se alimentar enquanto fazia greve de fome para protestar contra os maus-tratos.

Boko Haram sequestrou 2 mil mulheres, alerta Anistia Internacional

Ele foi condenado a quatro penas de prisão perpétua em 2012 depois de se declarar culpado de uma tentativa fracassada de tentar explodir um avião da Northwest Airlines com destino a Detroit, procedente de Amsterdã, em 25 de dezembro de 2009. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.