Nigerianos cobram US$ 1,5 bi da Shell por dano ambiental

Um comitê parlamentar nigeriano recomendou que a Shell pague US$ 1,5 bilhão por supostos danos ambientais ocorridos durante décadas de extração de petróleo na região do Delta do Níger. Chibudom Nwuche, presidente interino da Câmara dos Representantes, disse que um grupo de juristas nomeado pela Casa no ano passado, para investigar a queixa apresentada por um grupo étnico auto-intitulado ?Os Aborígenes de Ijaw?, considerou a empresa petrolífera culpada por derramamentos de óleo e outros ?incidentes ambientais? não-especificados, durante as perfurações no Estado nigeriano de Bayelsa. A primeira parcela da indenização, de US$ 500 milhões, seria paga imediatamente.Um porta-voz da subsidiária nigeriana da Royal/Dutch Shell absteve-se de fazer comentários, alegando que a empresa não havia sido informada oficialmente das conclusões do comitê. Nwuche acusou a Shell e outras empresas petrolíferas de serem insensíveis para com o povo e o meio-ambiente da Nigéria.?É lamentável que companhias petrolíferas que conhecem as leis internacionais não apliquem o mesmo nível de sensibilidade e consideração que mostram ... em outras partes do mundo quando vêm à Nigéria?, disse. Os legisladores disseram que uma resolução baseada nas conclusões do comitê seria aprovada em breve. Para ter valor de lei, a decisão ainda terá que ser sancionada pelo presidente Olusegun Obasanjo. Os habitantes mais pobres da Nigéria acusam as multinacionais do petróleo de poluir rios e córregos e de atuar junto com o governo para desviar a riqueza produzida pelo país.O Delta do Níger, uma rede de rios, selvas e mangues, se espalha por uma área do tamanho da Escócia e ainda é uma das áreas mais pobres e subdesenvolvidas da Nigéria, a despeito do petróleo extraído dali.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.