Nike reporta problemas com fábricas da China

A Nike Inc, maior fabricante de tênise materiais esportivos do mundo, disse ter encontradodocumentos falsificados, trabalhadores menores de idade esalários não-pagos em fornecedores na China, que, segundoespecialistas, têm um dos regimes industriais de maiorsubmissão social. As ações da companhia registraram na tarde destasexta-feira uma queda de quase 2 por cento na Bolsa de Valoresde Nova York. Em seu primeiro relatório específico da rede defornecedores, que focava na China devido aos Jogos Olímpicos dePequim, a Nike detalhou as tentativas que tem feito paraestabelecer uma concordância entre seu código de conduta e alei chinesa, incluindo um programa para monitorar osfornecedores relacionados aos Jogos neste ano. "Enquanto a China continua seu desenvolvimento, enxergamosprogresso e melhores práticas emergindo", diz o relatório,publicado no início do mês no site da Nike. "Mas assim comonossos parceiros em outros países, as fábricas que contratamosna China continuam enfrentando desafios". O relatório informa que a China é a maior fonte de produtosda Nike, com 180 fábricas e cerca de 210 mil empregados. No ano passado, a Nike fez um programa para conhecer aidentidade de 150 mil de seus empregados na China e achou 167casos de pessoas com idade menor do que a permitida quandoforam contratadas, mas que agora possuíam 18 anos ou mais. Foidescoberto que dois empregados eram menores de idade. Salários em alguns lugares não seguiam os valoresdeterminados pelo governo, disse o relatório. (Reportagem de John Ruwitch)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.