AFP PHOTO / POOL / JEFF J MITCHELL
AFP PHOTO / POOL / JEFF J MITCHELL

Ninguém deseja assumir o trono, mas é um dever, afirma príncipe Harry

Em entrevista à revista ‘Newsweek’, neto da rainha Elizabeth falou sobre o momento difícil quando, aos 12 anos, teve que caminhar um longo percurso atrás do caixão da mãe durante o funeral

O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2017 | 10h28

LONDRES - O príncipe Harry sugeriu que nenhum membro da família real realmente deseja assumir o trono, mas que esse é um dever, mais do que um desejo, de continuar servindo ao povo britânico.

Em uma entrevista à revista Newsweek, o neto da rainha Elizabeth II afirmou que a Casa de Windsor “não está fazendo isso por si própria, mas por um bem maior para as pessoas”. Ele também falou sobre a angústia de ter que caminhar atrás do caixão de sua mãe, Diana, quando tinha apenas 12 anos. “Acho que nenhuma criança deveria ter que fazer isso, sob nenhuma circunstância.”

Aos 32 anos, ele lembra o dia em 1997 quando se juntou ao seu irmão, o príncipe William - na época, com 15 anos - e outros membros da família real pelas ruas de Londres no funeral da princesa, que morreu em um acidente de carro. “Minha mãe tinha acabado de morrer e eu tive que caminhar um longo percurso atrás do caixão dela cercado por milhares de pessoas que me viam e milhões assistiam pela televisão”, destacou Harry.

O príncipe falou ainda sobre sua determinação em levar a vida da forma mais comum possível. “Há alguém na família real que queira ser rei ou rainha? Acho que não, mas cumpriremos com com os nossos deveres no momento certo.”

Ele disse que faz as próprias compras e garantiu que continuaria a fazê-las “mesmo se fosse rei”. “As pessoas ficariam impressionadas com a vida comum que William e eu levamos”, afirmou Harry. “Minha mãe passou um bom tempo me mostrando uma vida comum, inclusive era ela que levava meu irmão e eu para visitar desabrigados. Agradeço a Deus por não ter sido completamente excluído da realidade.”

Questionado se ficaria preocupado que um membro da família real pudesse se tornar “muito acessível” com um estilo de vida simples, Harry disse: “É um ato complicado de equilíbrio. Não queremos dissolver a magia. O povo britânico e o mundo todo precisa de instituições como essa.” / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.