'Nisman foi um traidor', diz líder de parentes governistas

Promotor usou caso para fazer denúncia política contra Cristina, diz Sergio Burstein, que foi casado com vítima de atentado

BUENOS AIRES, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2015 | 02h01

Nenhum dos parentes das vítimas do atentado contra a Amia é tão próximo da presidente Cristina Kirchner como Sergio Burstein. Ela já o recebeu na Casa Rosada e na Quinta de Olivos, a residência oficial. Quando há um encontro da presidente com famílias dos mortos no atentado, o grupo 18J (alusão a 18 de julho de 1994, data do atentado), dirigido por Burstein, é o escolhido.

Acusado pela oposição e parentes "independentes" de misturar ideologia e partidos com a causa da Amia, Burstein respondeu rispidamente ao Estado sobre sua lealdade à presidente. "Ser kirchnerista não me torna suspeito de nada. Ninguém pode me acusar de usar a morte da mãe dos meus filhos com finalidade política", disse.

Na quarta-feira, dia em que 400 mil marcharam em memória do promotor Alberto Nisman, em Buenos Aires, ele teve um encontro com o papa Francisco, no Vaticano, e pediu que ele interceda para que os iranianos sejam levados a julgamento. "Mesmo que eu estivesse na Argentina, não teria ido à marcha", afirmou ele, que em 1994 foi à mobilização dos guarda-chuvas, horas depois de enterrar a ex-mulher.

Os promotores que convocaram a mobilização, segundo ele, nunca se comprometeram com a investigação e "travaram" os pedidos de Nisman. "É uma hipocrisia promotores pedirem justiça. É como uma marcha de médicos pedindo saúde. Eles são os responsáveis", compara.

Denúncia. O grupo de Burstein apoiou o acordo entre Argentina e Irã que motivou a denúncia de Nisman contra Cristina. Para o promotor, o pacto foi feito por razões comerciais. "Nada do que Nisman colocou em sua denúncia contra a presidente se concretizou. O negócio com o Irã nunca ocorreu. Nisman nos traiu, usou os mortos da Amia para fazer uma denúncia política, não jurídica", acusa Burstein. / R.C.

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.