Nível de poluição põe Cingapura em alerta

O governo de Cingapura pediu que as pessoas permanecessem dentro de casa depois que os níveis de poluição no ar no país terem atingido níveis elevados em função da piora de incêndios florestais na Indonésia. Na Malásia, 200 escolas foram fechadas.

AE, Agência Estado

20 de junho de 2013 | 17h05

O posicionamento do governo cingapuriano causou reação diplomática de Jacarta. A Indonésia acusou Cingapura de "se comportar como uma criança" quando reclama da poluição causada pelos incêndios florestais na ilha de Sumatra. "Cingapura não deveria fazer todo esse barulho", disse o ministro Agung Laksono, citado pela emissora pan-árabe de televisão Al Jazeera.

O Índice de Normas Poluentes, principal medida de Cingapura para controlar a poluição do ar, atingiu leitura recorde de 371, sendo classificada como "perigosa", o que pode agravar doenças respiratórias. O recorde histórico anterior chegou a 226 e foi registrado em 1997.

Os incêndios na Indonésia já tinham causado danos em Cingapura e na Malásia, mas as condições nesta semana já causam conflitos nas relações diplomáticas.

"Este é pior nível de poluição que Cingapura já enfrentou", disse a ministra do Meio Ambiente do país, Vivian Balakrishnan. "Nenhum país ou empresa tem o direito de poluir o ar às custas da saúde e do bem-estar da população de Cingapura".

O primeiro-ministro, Lee Hsien Loong, aconselhou os moradores a ficarem dentro de casa, acrescentando que todos vão "passar por isso juntos".

Na Malásia, a qualidade do ar permaneceu relativamente inalterada na maior cidade do país, Kuala Lumpur, mas um Estado do sul que faz fronteira Cingapura também registrou níveis "perigosos"de poluição em um distrito, onde 200 escolas permanecerão fechadas até sexta-feira.

Em sua defesa, as autoridades indonésias defenderam que o governo trabalha para educar os agricultores sobre alternativas à tradicional agricultura de corte e queima. Além disso, sugerem que alguns incêndios podem ser causadas por empresas de Cingapura e Malásia envolvidas na indústria de plantações da Indonésia. Fonte: Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.