Nível de radiação na água de Tóquio sofre redução

Radioatividade no líquido voltou a níveis seguros para consumo, porém autoridades alertam para possíveis resquícios de radiação no encanamento

Efe,

24 de março de 2011 | 03h48

TÓQUIO - A radioatividade na água de Tóquio registrou queda nesta quinta-feira, 24, voltando a níveis seguros para consumo, inclusive por bebês.

Na quarta, o governo da capital japonesa advertiu os pais de que não dessem água da torneira para as crianças com menos de um ano devido ao alto índice de iodo.

 

As autoridades metropolitanas indicaram que no início da manhã desta quinta-feira a concentração de iodo radioativo na central de Kanamachi, que abastece as regiões central e oeste da capital, era de 79 becquerel por quilo, frente aos 210 becqerel por quilo registrados ontem.

 

No entanto, ainda assim segue a recomendação para que a água não seja dada a crianças com menos de um ano, já que ainda pode restar água com alto nível de radiação no encanamento. Há ainda a possibilidade de a radiação aumentar novamente.

 

O limite considerado seguro para bebês é de 100 becquerel por quilo, enquanto para adultos sobe para 300 becquerel por quilo.

 

Também foi detectado iodo radioativo em uma amostra de água recolhida na terça-feira na cidade de Kawaguchi, ao norte de Tóquio, segundo anunciaram as autoridades municipais.

 

O nível de iodo chega a 120 becquerel por quilo, acima do limite recomendado para bebês.

Ainda foi detectado material radioativo na água de outras províncias próximas à usina nuclear de Fukushima, onde os operários lutam para controlar os seis reatores que ficaram seriamente danificados pelo terremoto e o posterior tsunami de 11 de março.

 

Diante da contaminação da água, o governo metropolitano de Tóquio deve distribuir água engarrafada às famílias com bebês na capital e nas cinco cidades vizinhas afetadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.