Nível de radiação no Japão é seguro, diz OMS

Um ano depois do acidente nuclear em Fukushima, a Organização Mundial do Comércio (OMS) informou que várias áreas próximas à usina ainda registram níveis que podem provocar câncer, mas que isso não acontece na maior parte do Japão

AE, Agência Estado

23 Maio 2012 | 12h32

A primeira estimativa de exposição global à radiação liberada pelo terremoto e tsunami de 11 de março de 2011 foi publicada nesta quarta-feira. O documento diz que o incidente, que provocou derretimentos em reatores da usina nuclear Fukushima Daiichi, gerou um aumento nos níveis de radiação, mas que eles estão em níveis seguros na maior parte do país.

O relatório de 124 páginas também diz que os países vizinhos registram níveis próximos aos anteriores ao incidente e que o restante no mundo ocorreram exposições menores por meio de alimentos.

A Agência Internacional de Energia Atômica havia confirmado anteriormente que os níveis de radiação em alguns produtos lácteos e vegetais japonesas chegaram a níveis mais altos do que o Japão permite para consumo. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Japão Fukishima radiação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.