No 11/9, árabes falam de ataque ao Iraque

No primeiro aniversário dos ataquesterroristas contra Nova York e Washington, os jornais árabesderam destaque hoje ao estado de alerta máximo nos EstadosUnidos e às consultas do presidente George W. Bush a respeito dotema Iraque. A ligação entre os trágicos acontecimentos de 11 de setembroe a possível guerra contra o regime de Saddam Hussein é o temaprincipal de muitos editoriais e manchetes. "Osama bin Laden foi lentamente desaparecendo dos títulos,depois que o Pentágono assegurou que o havia capturado no Natalpassado", escreveu o Jordan Times, de Amã. "Com sua saída decena, Saddam Hussein foi reaparecendo gradualmente,convertendo-se no inimigo número um dos Estados Unidos",acrescentou. O jornal jordaniano Al Rai (A Opinião), o maior do país, saiuhoje com um suplemento especial de 24 páginas com o título "Oterremoto de setembro". "Nos últimos 12 meses, os EUA encherama boca com a guerra contra o ´eixo do mal´, mas fizeram pouco ouquase nada para resolver as terríveis crises regionais das quaisse nutre o terrorismo", escreveu o matutino. O egípcio Al Ahram (As Pirâmides) foi às bancas com amanchete "Washington pede ao mundo que acelere o ataque contrao Iraque", enquanto que o jornal Al Akhbar (As Notícias)manifestou seu desejo de que a única potência do globo "retorneà lógica e recupere seu equilíbrio, razão e sentido deresponsabilidade diante da justiça perdida". O iraquiano Al Jumhuriya (A República) titulou: "Crescenterechaço internacional às ameaças contra o Iraque". Já okuwaitiano Arab Times e o saudita Al-Jazira dão destaque aoestado de alerta nos Estados Unidos pelo temor de novos ataquesterroristas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.