Ashley Landis/The Dallas Morning News, via AP
Ashley Landis/The Dallas Morning News, via AP

No Alabama, yoga passa a ser permitida em escolas públicas; ‘namastê’ e mantras, não

Projeto de lei suspendeu proibição de prática no Estado americano, mas tenta afastá-la de suas origens religiosas e filosóficas

Rick Rojas, The New York Times

11 de março de 2020 | 07h00

ATLANTA - Um documento que circulou entre trabalhadores da educação no estado do Alabama, nos Estados Unidos, descrevia “Atividades/Jogos/Práticas Inadequadas” que os professores deveriam evitar nas escolas públicas. 'Pega-pega' e 'Red Rover' (brincadeira comum em países como Inglaterra e EUA) foram incluídos na lista, assim como jogos que sempre estiveram no centro de debates acalorados, como o dodgeball. 

A Yoga, também.

A prática, juntamente com a hipnose e a meditação, foi absolutamente ilegal, proibida pelas leis do Alabama nas escolas públicas do estado por quase três décadas. Seus detratores afirmavam que permiti-las em sala de aula equivaleria a um endosso tácito de um “sistema de crenças não-cristãs”. 

Mas, ao longo dos anos, a yoga - uma combinação de respiração profunda e alongamento com raízes na Índia antiga e conexões com o hinduísmo e o budismo - aumentou em popularidade, inclusive no Alabama. Em todo o Estado, é ensinada em dezenas de academias, igrejas cristãs e prisões.

E agora, ao que tudo indica, os alunos das escolas públicas poderão em breve também abrir seus tapetes e esticar-se na pose de uma criança ou de um cachorro voltado para baixo. Uma proposta sobre o tema foi debatida na Câmara estadual na terça-feira, 10, e aprovada pelos legisladores.

Por 84 a 17, os deputados suspenderam a proibição da yoga em escolas públicas. No entanto, os movimentos e exercícios ensinados aos alunos devem ter nomes exclusivamente em inglês. Cânticos, mantras e a saudação “namastê” estão proibidos. 

"Acho que muitas mentes mudaram", disse o deputado Jeremy Gray, que assina o projeto, referindo-se à disposição de seus colegas em reconsiderar suas opiniões sobre yoga. "Eles realmente não entendiam a prática", acrescentou, "e agora entendem melhor. Suas mães praticam yoga. Suas esposas praticam yoga. Eles pensam: "Não pode ser ruim se minha esposa faz”.

A controvérsia

À medida que o autocuidado se popularizou, a yoga também, com profissionais divulgando seus benefícios físicos e psicológicos. A ascensão da yoga também foi impulsionada por uma mudança cultural, uma vez que muitas pessoas deixaram a religião institucional para seguir um senso de espiritualidade menos definido.  

Mas, na medida em que a conversa evoluiu, especialistas disseram que a proposta do Alabama toca em um debate que se intensifica à medida que mais escolas adotam a yoga – e lutam com a resistência que ela inspira e com como incorporar as antigas filosofias que são o coração de sua prática. 

"É relativamente incomum existir uma lei contra yoga ou meditação na escola", diz Candy Gunther Brown, professora de estudos religiosos na Universidade de Indiana e autora do livro Debatendo Yoga e Mindfulness em escolas públicas.

“Mas”, ela continua, “eu acho que nós veremos um aumento nas controvérsias, e precisamente porque yoga e meditação estão se tornando mais populares”. 

Sob a lei discutida na terça-feira, a oferta de yoga fica a critério dos sistemas escolares locais, mas a prática deve ser despojada de seus aspectos espirituais e terminologia não inglesa. Assim, enquanto várias poses de alongamento serão permitidas, o “namastê” continuará proibido, assim como o uso de cânticos ou mantras. 

Ainda assim, os críticos à prática argumentam que alterar a terminologia significa pouco porque a yoga é inerentemente uma prática religiosa.

"Tendemos a achar que podemos pegar qualquer coisa e refazê-la para se adequar ao nosso estilo de vida", disse o Reverendo Clete Hux, diretor do Apologetics Resource Center em Birmingham, Alabama, e professor do Birmingham Theological Seminary.

"Eles estão tentando separar a yoga do hinduísmo ou de suas raízes religiosas", disse Hux. "Mas, de acordo com o hinduísmo, você não pode fazer isso. Basicamente, não há hinduísmo sem yoga e yoga sem hinduísmo. ”

A yoga, que envolve técnicas de respiração, exercícios e meditação, baseia-se em milhares de anos de textos e tradições indianas antigas, com conexões com o hinduísmo e o budismo.

Muitos que praticam yoga regularmente - incluindo cristãos, judeus, muçulmanos e outros - tiveram que lidar com suas influências hindus e budistas e avaliar se isso interferia em suas crenças. Alguns simplesmente ignoram suas origens. Outros criam estratégias para contorná-las, como os participantes cristãos que reformulam as saudações ao 'sun' ('sol', em inglês) com saudações ao ‘son’ (‘filho’, em inglês), em um aceno a Jesus.

"É uma questão controversa", diz Brown. "O quanto a yoga é secular, o quanto é religiosa e o que cada uma dessas coisas quer dizer”. 

Para Gray, o debate entre legisladores evoluiu consideravelmente. Ele apresentou uma proposta semelhante no ano passado e ela falhou rapidamente. Mas, desta vez, ele encontrou apoio em dois partidos.

Quando foi ao Comitê de Política Educacional da Câmara na semana passada, um parlamentar democrata disse "se você estiver neste estado - mentalmente, isso realmente o ajudará". E um republicano acrescentou: "Acho que você pode orar a Deus e fazer yoga".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.