No aniversário de ataque, prefeito de Hiroshima critica EUA

O prefeito de Hiroshima, Tadatoshi Akiba, marcou o aniversário do primeiro ataque com bomba atômica do mundo criticando duramente os Estados Unidos por planejar o desenvolvimento de uma nova geração de armas nucleares, e defendeu um banimento global de todas as armas atômicas até 2020. Denunciando a administração do presidente americano George W. Bush por sua visão "egocêntrica" do mundo, Tadatoshi Akiba disse que Washington deu as costas para as outras nações."Ignorando as Nações Unidas e a lei internacional, os Estados Unidos retomaram pesquisas para produzir armas nucleares menores e mais ´utilizáveis´", afirmou ele na 59ª cerimônia anual no Parque Memorial da Paz da cidade. Em junho, o Senado americano deu permissão à administração Bush para pesquisar - mas ainda não produzir - novas ogivas nucleares "destruidoras de bunkers" e "mínimas".A destruidora de bunkers nuclear visaria atingir alvos subterrâneos, como centros de controle militar que estão além do alcance de armas convencionais. As ogivas "mínimas" teriam o poder explosivo de menos de 5.000 toneladas de TNT - um quarto da capacidade da bomba atômica lançada em Hiroshima. Defensores das novas armas afirmam que elas causariam menos danos e menos mortes na área ao redor dos alvos. Críticos alertam que líderes belicistas ficariam mais dispostos a usar armas atômicas - o que nunca ocorreu depois de Hiroshima e Nagasáki.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.