No Brasil, Zelaya pede que EUA pressionem Honduras

O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, disse hoje em Brasília que os Estados Unidos poderiam ajudá-lo a voltar ao poder se intensificassem a pressão econômica sobre o governo hondurenho interino, instalado no fim de junho, depois de um golpe militar contra o líder democraticamente eleito. Zelaya afirma que Washington o tem apoiado firmemente, mas acredita que o governo americano poderia adotar medidas mais duras no front econômico contra o governo que assumiu depois do golpe.

AE-AP, Agencia Estado

12 de agosto de 2009 | 12h06

Em entrevista concedida hoje à estatal "TV Brasil", Zelaya não entrou em mais detalhes sobre a possibilidade de pressão econômica por parte de Washington. Os EUA são o principal parceiro comercial de Honduras e a maior fonte de investimento estrangeiro direto no país centro-americano. O governo americano já suspendeu US$ 18 milhões em ajuda ao desenvolvimento hondurenho. Zelaya está no Brasil para se reunir com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasManuel ZelayaLulaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.