EFE/MARIO RUIZ
EFE/MARIO RUIZ

No Chile, papa Francisco pede perdão às vítimas de abusos sexuais

Francisco diz que é necessário se empenhar para evitar novos casos; associações pedem atos contra abusadores

O Estado de S.Paulo

16 Janeiro 2018 | 20h40

O papa Francisco expressou sua dor e vergonha pelos abusos cometidos por religiosos contra menores que mancharam a imagem da Igreja Católica, em seu primeiro discurso diante de autoridades políticas e civis do Chile.

+ No Chile, papa Francisco pede que direitos e cultura dos povos indígenas sejam respeitados

“Não posso deixar de manifestar a dor e a vergonha que sinto ante o dano irreparável causado a crianças por parte de ministros da Igreja”, afirmou o pontífice nesta terça-feira, dia 16, no Palácio de La Moneda, onde foi recebido pela presidente Michelle Bachelet.

“Quero me unir a meus irmãos no episcopado, já que é justo pedir perdão e apoiar as vítimas com todas as forças, ao mesmo tempo em que temos de nos empenhar para que isso não volte a se repetir”, afirmou.

A ONG americana Bishop Accountability – que desde 2003 se dedica a publicar os arquivos de acusados de abusos na Igreja Católica – divulgou na semana passada uma lista de quase 80 religiosos que abusaram de menores no Chile.

+ The Economist: Chilenos serão um público difícil para o papa

Um dos casos mais emblemáticos que marcaram a sociedade chilena foi o do padre Fernando Karadima, denunciado em 2010 por várias vítimas. Para a Justiça chilena, o caso prescreveu e o Vaticano o declarou culpado de abuso sexual. Ele foi condenado a se retirar para uma vida de oração e penitência.

Para as vítimas, pedir perdão não é suficiente. “Precisamos de atos concretos que o papa não toma na Igreja chilena contra os abusadores”, protestou o porta-voz da associação de laicos Osorno, Juan Carlos Claret, que luta para que o bispo Juan Barros, apontado como acobertador do “caso Karadima”, seja expulso.

+ Papa Francisco pede integração de imigrantes, apesar de temor 'legítimo'

Às vésperas de sua chegada ao Chile, o país mais crítico da Igreja Católica na América Latina, a pressão cresceu contra o papa, que chegou a prometer tolerância zero para com os abusos, quando assumiu, em março de 2013. 

Em seu esperado discurso, Francisco também mencionou outros temas que o preocupam, como os indígenas, os imigrantes, o meio ambiente e os jovens. “É preciso escutar os povos originários, frequentemente esquecidos e cujos direitos precisam ser atendidos e sua cultura cuidada, para que não se perca parte da identidade e da riqueza desta nação”, afirmou Francisco, ao abordar a questão indígena. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.