Arash Khamooshi/The New York Times
Arash Khamooshi/The New York Times

No dia do ataque a Suleimani, EUA lançaram operação buscando alto militar no Iêmen, diz jornal

Operação secreta teria como alvo um alto militar iraniano responsável por liderar as Forças Quds no Iêmen, informa o The Washington Post

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de janeiro de 2020 | 16h11

No mesmo dia do bombardeio que matou o general iraniano Qassim Suleimani, o governo dos Estados Unidos lançou uma operação que buscava também um alto militar daquele país com atuação no Iêmen. As informações são do jornal The Washington Post e falam em uma operação realizada em sigilo. 

O objetivo da operação, que não foi bem-sucedida, seria matar Abdul Reza Shahlai, um dos comandantes das Forças Quds no Iêmen, informaram quatro oficiais americanos familiarizados com o assunto. 

A operação mostra, segundo o The Washington Post, que o ataque da administração de Donald Trump a Suleimani na semana passada integraria uma operação maior do que o explicado publicamente, suscitando questões sobre se a missão teria como foco enfraquecer a liderança da Guarda Revolucionária do Irã ou prevenir ataques a americanos, como previamente dito. 

Para Entender

EUA x Irã: entenda a cronologia da crise no Oriente Médio

Relembre os principais fatos do bombardeio que matou um americano no Iraque às consequências da morte do general Suleimani

Operações militares dos EUA no Iêmen, onde uma guerra civil criou uma das piores crises humanitárias do mundo, são sempre sigilosas. Autoridades americanas disseram que a operação permanece em segredo e muitas se recusaram a fornecer detalhes. 

Para Entender

Em possível área de guerra, Estados Unidos têm 80 mil militares

Soldados americanos estão espalhados por 27 bases e instalações distribuídas em 12 países

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.