AFP
AFP

No Egito, barba inédita de premiê pode indicar influência islâmica no governo

A barba, que já foi vista como um símbolo de piedade religiosa, agora é tida como sinal das mudanças políticas no país

Dina Demrdash, BBC

26 de julho de 2012 | 07h51

CAIRO - O novo primeiro-ministro do Egito é o primeiro na história do país a usar barba. A nomeação de Hesham Kandil, um engenheiro de 50 anos de idade, causou muita discussão no país e marca uma nova fase na sociedade egípcia, que convive com uma visibilidade cada vez maior de símbolos associados ao islamismo na esfera de poder.

Veja também:

linkMinistro pouco conhecido é nomeado premiê do Egito

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

A barba, que já foi vista como um símbolo de piedade religiosa, agora representa uma atitude política e é um sinal de como as coisas estão mudando rapidamente no país. Tradicionalmente, usar barba é uma prática de muçulmanos devotos que seguem à risca os preceitos do profeta Maomé. Mas no Egito, país que há muitos anos preza o secularismo, muitos clérigos islâmicos não usam barba.

Nos últimos 60 anos, aqueles que usavam barba no país, de maioria muçulmana (mas aliado do Ocidente, sobretudo dos Estados Unidos), eram vistos como indivíduos com tendências fundamentalistas. Na maioria das vezes, eram mantidos sob constante vigilância pela polícia de segurança do ex-líder Hosni Mubarak (que esteve no poder por mais de 30 anos) e era muito raro ver um homem de barba ocupando um cargo de alto escalão em instituições estatais, incluindo a polícia e emissoras de rádio e TV públicas. Anos depois, o Egito tem um presidente e um primeiro-ministro de barba.

Após semanas de expectativa, Mohamed Morsi, o novo chefe do Executivo recentemente eleito, apontou Hesham Kandil como premiê. Kandil já havia chamado atenção na política egípcia em 2011, quando se tornou o primeiro político egípcio barbado a assumir um cargo de ministro.

Medo da 'islamização'

Na época, a barba de Kandil foi interpretada como um sinal positivo, de que os islâmicos não estavam mais sendo alvo de "caça às bruxas" no país. Mas, no entanto, agora que Kandil  foi escolhido para ser o novo premiê do país e após a ascensão do islamismo como nova força política no Oriente Médio, a barba já não é mais tão bem-vinda assim.

Nas redes sociais, muitos egípcios chegaram a comentar a indicação com sarcasmo, dizendo que Morsi teria deixado de lado opções como Mohamed ElBaradei e Ahmed Zewail, ambos detentores de um prêmio Nobel, em função da barba de Kandil. "Só no Egito vale mais ter uma barba do que um prêmio Nobel", disse no Twitter o egípcio Hamdy Ibrahim.

Gamal Fahmy, jornalista e ativista político, considera os debates nas redes sociais "reveladores".  "A Irmandade Muçulmana conseguiu convencer os americanos e o Ocidente, mas fracassaram em convencer os egípcios. Os egípcios estão com medo de uma islamização da sua nação", disse em entrevista à BBC.

'Muito a fazer'

Pouco após assumir o poder, Morsi deixou claro que optaria por um primeiro-ministro independente e patriota, sem afiliação, sobretudo sem ligações com o Partido da Justiça e Liberdade, da Irmandade Muçulmana. De fato, Kandil não é membro do partido, mas críticos do grupo insistem que ele segue os preceitos da Irmandade, e o fato de usar barba só parece reforçar esta desconfiança entre os egípcios. "Kandil pertence ao Islã político. Ele é uma figura respeitada, e pode não estar envolvido com nenhum partido, mas é aliado com a Irmandade Muçulmana, ao menos mentalmente", diz Fahmy, um ativista.

Já Salah Abdel Maqsoud, jornalista e analista político, diz que o julgamento de Kandil por sua aparência é irrelevante, e que é necessário esperar e analisar suas escolhas de ministros e como lidará com os desafios do país.  Entre executivos, empresários e industriais também há desconfiança, já que muitos espearavam um premiê com extensa experiência financeira para tentar reerguer a economia do país. Além disso, ele é o premiê mais jovem da história do país.

Em seu primeiro discurso, Kandil reforçou o compromisso com promessas de Morsi, de garantir pão, combustível, limpeza, trânsito e segurança pública.  "Vocês ainda vão ouvir muito isso de mim. Nós temos que nos esforçar muito e atingir os objetivos da revolução. Temos muito a fazer", disse em seu primeiro discurso na TV.

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.