No Equador, pesquisas de boca-de-urna indicam Noboa e Correa no 2º turno

O magnata Álvaro Noboa foi o mais votado e o candidato esquerdista Rafael Correa ficou em segundo, por isso irão ao segundo turno nas eleições presidenciais do Equador, segundo três pesquisas de boca-de-urna divulgadas por emissoras de televisão locais logo após acabar as votações.As enquetes, das empresas Cedatos, Relatório Confidencial e Market, afirmam que há uma leve diferença de 2,03 pontos no máximo entre Noboa e Correa, o que representa praticamente um empate técnico entre os dois. A empresa E-vote, contratada pela Corte Suprema Eleitoral equatoriana para a apuração rápida de votos, anunciou que às 18h30 (20h30 de Brasília) terá os primeiros resultados das eleições, embora não oficiais.As urnas fecharam às 17h (19h de Brasília) em todo o Equador, após uma votação tranqüila para o cargo de presidente e outros 857 cargos públicos. Mais de nove milhões de eleitores foram convocados às urnas e, pela primeira vez, pouco mais de 143.000 tiveram o direito de votar em 61 consulados de 42 países estrangeiros.A organização Participação Cidadã, que vigiou o processo com 3.000 voluntários em mais de 800 zonas eleitorais do país, afirmou que a maioria dos inconvenientes foi de tipo logístico, e que a votação ocorreu sem grandes problemas.Segundo José Valência, diretor da Participação Cidadã, a impressão ruim de cédulas e a propaganda eleitoral de certos partidos políticos do lado de fora dos recintos - o que é proibido pela lei - foram os maiores problemas.O principal incidente ocorreu na localidade de Muisne, na província de Esmeraldas, no norte do Equador, onde as eleições foram suspensas porque vários cidadãos rasgaram as cédulas e as urnas de papelão ao reagir contra um partido político, por isso deverão ser realizadas dentro de 10 dias.Em Quito, houve dois terremotos durante o dia, o primeiro de 4,1 graus de magnitude na escala Richter e o segundo uma réplica um pouco mais fraca, com epicentro no norte da cidade. Não há informações se vítimas ou danos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.