AFP
AFP

No Estado de NY, americanos negros têm plantação destinada a ajudar minorias

Fundada em 2011, fazenda de 30 hectares abriga cultivos de plantas medicinais e vegetais

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de outubro de 2020 | 04h00

São Petersburgo, EUA - Em uma estufa sufocante, Brooke Bridges inspeciona as fileiras de tomates e se regozija com a abundância. Depois de colhida, a fruta será embalada para ser entregue principalmente a famílias negras e carentes na área de Albany, capital do Estado de Nova York.

“Uma boa cesta de produtos frescos pode desencadear algo neles, os lembrando de quem são como afro-americanos”, diz Bridges, 29, que deixou sua carreira de atriz na Califórnia para se mudar para o interior de Nova York.

A jovem é uma das sete funcionárias que moram na Fazenda Soul Fire, definida como “uma comunidade agrícola centrada nos negros e indígenas"

Fundada em 2011 pela ativista afro-americana Leah Penniman e seu marido Jonah Vitale-Wolff, a fazenda de 30 hectares, que cultiva plantas medicinais (hortelã, erva-cidreira dourada, erva de São João, calêndula) e vegetais, tem como objetivo combater as injustiças raciais desde as raízes do sistema alimentar.

Sua missão faz parte do combate à discriminação, que se tornou um dos temas centrais da campanha presidencial americana desde a morte, no final de maio, de George Floyd, um homem negro sufocado por um policial branco que se ajoelhou em seu pescoço.

Joelho simbólico

Em uma época em que o movimento Black Lives Matter trouxe o tema da violência policial à tona nas principais cidades americanas, as persistentes desigualdades raciais no mundo agrícola são menos conhecidas.

Elas se manifestam, porém, na baixíssima representação dos produtores agrícolas negros ou afro-americanos, que mal ultrapassam 45 mil –1,3% da população rural dos Estados Unidos, segundo o último censo agrícola, embora o grupo constitua pouco mais de 13% da população do país.

Há um século, quase 15% dos fazendeiros americanos eram negros: famílias libertas puderam ter acesso à propriedade graças às reformas agrárias decretadas para abolir a escravidão.

Mas durante o século 20, a segregação racial estabelecida pelas leis de Jim Crow e as múltiplas barreiras impostas às minorias para obter terras agrícolas forçaram muitos negros a deixarem as áreas rurais do sul dos Estados Unidos.

Uma das práticas discriminatórias mais comuns foi a chamada "linha vermelha", que consiste em negar crédito a populações desfavorecidas que vivem em uma área limitada. Ainda hoje, muitos afro-americanos lutam para obter os empréstimos bancários necessários para desenvolver uma fazenda.

"Todos nós sabemos que, embora não tenhamos um joelho físico em nossos pescoços, os agricultores negros têm um joelho econômico em seus pescoços desde o fim da escravidão", disse Dewayne Goldmon, diretor executivo do National Black Growers Council, um grupo de defesa dos agricultores da comunidade negra do país.

“O que piora as coisas no campo americano e certamente na comunidade agrícola é que aquele joelho que estava no pescoço do meu avô ainda me afeta hoje”, acrescentou.

Reconecte-se com o patrimônio

Além dessas desigualdades econômicas, existem preconceitos. Justin Butts, um gerente de gado na Fazenda Soul Fire, enfrentou o ceticismo de seus colegas brancos quando quis se tornar um fazendeiro na Pensilvânia.

“Muitas vezes, quando eu estava na Pensilvânia, outros fazendeiros não acreditavam que eu fosse um fazendeiro e que fosse legítimo. Ou me disseram que os negros não faziam agricultura quando eu era um jovem que estava começando. Muito insultante”, lembra o ex-oficial da marinha.

As propostas políticas para combater essas injustiças são escassas, embora o candidato democrata à Casa Branca Joe Biden tenha prometido apoiar os direitos dos agricultores indígenas e negros.

Para desenvolver uma relação mais saudável com a terra, os membros da Fazenda Soul Fire, por exemplo, usam tradições que vêm de seus ancestrais, como Técnicas Agrícolas Simplificadas, consórcio ou cobertura morta.

A fazenda também hospeda oficinas educacionais e históricas que atraem milhares a cada ano.

“É uma forma de nos lembrarmos de nosso lugar inerente na Terra e de nossa relação com ele”, diz Bridges. “Não é algo que experimentamos há séculos por causa de como nossos ancestrais foram trazidos para cá, como foram arrancados de suas terras”, diz ele.

"Foi extremamente traumático, mas nossos ancestrais conseguiram. Suas vidas negras realmente importavam." /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.