Sergey Ponomarev/The New York Times
Sergey Ponomarev/The New York Times

No Extremo Oriente da Rússia, uma nova face da resistência a Putin

Enquanto os protestos aumentam na cidade de Khabarovsk, a 6 mil quilômetros de Moscou, os moradores que nunca haviam encontrado um jeito para extravasar a raiva estão se tornando ativistas

Anton Troianovski, New York Times, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2020 | 03h30

KHABAROVSK, RÚSSIA - Valentin Kvashnikov, um trabalhador da construção civil e viciado em heroína em recuperação, mora perto da estação ferroviária em uma cabana de madeira, com uma lata de lixo de plástico no canto que serve como banheiro.

Mas ele passou da obscuridade para a vida de celebridade no extremo leste da Rússia, ajudando a energizar as manifestações antigovernamentais que se tornaram maiores e mais ousadas nas últimas três semanas.

"É ele!", disse uma mulher que passava, Natasha Gordiyenko, depois que viu Kvashnikov do lado de fora de sua casa no domingo 26, antes de desencadear uma série de palavrões contra a autoridade russa.

Os protestos em Khabarovsk reuniram dezenas de milhares de pessoas no fim de semana, estabelecendo esta cidade distante - a cerca de 6 mil quilômetros de Moscou - como o local do maior desafio popular à autoridade do presidente Vladimir Putin de que uma cidade nas regiões mais distantes da Rússia produziu em seus 20 anos no poder.

Os protestos não têm líder e poucas demandas concretas. Mas eles eletrizaram uma cidade tranquila, a meio mundo da capital, transformando residentes apolíticos em ativistas da noite para o dia e mostrando com que rapidez as brasas do descontentamento com a corrupção, a pobreza e o domínio do poder de Putin podem acender uma conflagração.

"Não é que haja algo errado conosco", disse Elena Okhrimenko, uma contadora aposentada, que tem protestado com placas feitas em casa junto com o marido, um motorista de caminhão aposentado. "Percebemos que há algo errado com o país."

Manifestações em uma cidade tão distante, um voo de oito horas de Moscou e a apenas 24 quilômetros da China, é um novo tipo de alerta para o Kremlin. Durante anos, os protestos em larga escala limitaram-se principalmente a Moscou e São Petersburgo, tornando-os fáceis de serem descartados como obra de uma elite urbana fora de contato com a realidade.

Fora de Moscou 

No entanto, a explosão de raiva longe da capital prejudica a narrativa do Kremlin sobre a Rússia de Putin, que ele governou essencialmente nas últimas duas décadas.

Putin ganhou um referendo fortemente orquestrado, há menos de um mês, que reescreveu a Constituição para permitir que ele permaneça no cargo até 2036. Mas muitos analistas consideraram o voto fraudulento e, embora os pesquisadores tenham identificado um crescente descontentamento entre os russos nos últimos anos, a raiva nunca se espalhou pelas ruas com tanta força fora das maiores cidades do país.

"Por enquanto, a sociedade não parece tão radicalizada", disse Tatiana Stanovaya, estudiosa do Carnegie Moscow Center, uma organização de pesquisa focada em política. "Mas, do meu ponto de vista, isso é apenas uma questão de tempo se as autoridades não conseguirem ver o que realmente está acontecendo no país."

Kvashnikov, que luta há muito tempo contra a pobreza e se queixa da injustiça do estado, se transformou em uma líder com manifestantes que marcham pela cidade todos os dias desde 11 de julho em defesa de seu popular governador, Sergei Furgal, que foi preso pelas autoridades federais este mês.

Os manifestantes se reúnem na Praça Lenin, em frente ao casco revestido de mármore da sede do governo regional - conhecida localmente como Casa Branca - antes de seguir para a estrada para dar uma volta de cinco quilômetros acima do imenso rio Amur.

Os carros buzinam em apoio, os motoristas cumprimentam maravilhados - o vendedor de sorvetes, o segurança da loja de cosméticos, o oficial em frente ao prédio da empresa ferroviária - sacam seus telefones para gravar a cena. "Nunca acreditei que nosso povo estivesse tão unido", disse Kvashnikov, descrevendo os protestos.

Os protestos atraíram a atenção de iniciantes políticos como Elena Skorodumova, uma professora de jardim de infância de 23 anos. Em 9 de julho, ela estava percorrendo uma página de mídia social dedicada a notícias e animais de estimação locais quando viu um post sobre a prisão de Furgal, o governador. Em um terno azul, Furgal foi visto sendo levado por um oficial mascarado do Serviço de Segurança Federal em equipamento de camuflagem, uma mão enluvada pressionando a cabeça do governador.

Skorodumova lembra que ficou arrepiada de raiva. A "única maneira" de apoiar o governador, ela escreveu nos comentários, era "sair pelas ruas". A prisão do governador, sob suspeita de ter organizado assassinatos há cerca de 15 anos, parecia para muitos moradores uma flagrante jogada de poder do Kremlin para se livrar de um líder regional visto como não tão leal.

Derrota do governo

Furgal, um ex-comerciante de sucata, derrotou o governador anterior, um aliado de Putin amplamente detestado pela população, nas eleições regionais de 2018. Então Furgal conquistou os moradores com um estilo populista que sua equipe documentou assiduamente no Instagram.

Demitido oficialmente por Putin na semana passada, Furgal destacou como ele reservou milhões de dólares para almoços escolares, cortou seu próprio salário e colocou o iate do governador no mercado.

Mais pedidos de protesto por sua prisão surgiram nas mídias sociais, muitas vezes na linguagem codificada de convites para um passeio ou "alimentando os pombos" na praça central.

Em 11 de julho, um sábado, Skorodumova, assistente da professora, empacotou lenços higienizantes e uma escova de dentes, caso ela fosse presa, e foi para a Praça Lenin. Ela nunca havia protestado antes. Dezenas de milhares de seus colegas residentes também vieram. E eles continuam voltando.

Kvashnikov, o trabalhador da construção, encontrou pessoas que compartilhavam seu desdém por Putin e o que ele vê como um sistema que enriquece poucos. Ele mal tem dinheiro para comer, disse, esteve envolvido em grupos criminosos e cumpriu pena na prisão. "Seu cão raivoso, por que você não lida com o que está sob o seu próprio nariz?" ele disse sobre o Putin. “Seu povo está com fome. Veja como o seu povo vive. ”

Kvashnikov chamou a atenção de muitos YouTubers que transmitiram os protestos por sua presença quase diária, seus cantos altos e sua disposição de desafiar a polícia. Em um vídeo amplamente acessado, ele pode ser visto gritando com um policial que a Constituição russa garante liberdade de reunião. A multidão ao lado dele começa a cantar "Somos os responsáveis aqui!"

As multidões de manifestantes cresceram por três sábados consecutivos, com algumas estimativas colocando-a em mais de 50 mil pessoas no último fim de semana - um surto de ativismo político espontâneo que é raro na Rússia.

Alyona Panteleyeva, 22, e sua mãe administram uma oficina de costura apertada e uma loja de tecidos. Ela disse que nunca havia se envolvido com política, até que um de seus funcionários sugeriu a produção de máscaras que diziam "Sou / Somos Furgais".

Na semana passada, a oficina produziu cerca de 50 máscaras por dia, e Panteleyeva disse que as estava vendendo a preço de custo pelo Instagram e em sua loja. A primeira pessoa que comprou uma, disse, pagou em dinheiro marcado com um slogan pró-Furgal; essas notas estão cada vez mais em circulação na cidade, explicou ela.

"Tenho certeza de que os protestos continuarão até que os cidadãos consigam o que querem", incluindo um julgamento público para Furgal em Khabarovsk, e não em Moscou, disse. "Estamos lutando pela verdade."

A popularidade de Furgal como autoridade eleita regional é única, de modo que os protestos de Khabarovsk provavelmente não serão replicados em outros lugares, escreveu recentemente o cientista social Sergei Belanovsky. Mas eles mostram uma maior disposição para protestar em resposta a negligências.

"Dada a situação econômica e social desfavorável, as razões para protestar continuam crescendo em número", disse Belanovsky. "O tecido do estado diminuiu, e rasgá-lo exige cada vez menos esforço".

Putin continua no controle dos poderosos serviços de segurança do país e, embora em declínio, seu índice de aprovação é de 60%. Uma questão importante é até que ponto o Kremlin estará preparado para usar a força para reprimir protestos - o fez em Moscou, mas ainda não em Khabarovsk. A certa altura, na segunda-feira 27, um único policial seguiu a coluna de cerca de 1 mil manifestantes, aparentemente para manter os carros à distância.

Muitos manifestantes assumem que alguns policiais simpatizam com eles. Analistas também dizem que o Kremlin parece esperar que os protestos desapareçam por conta própria, e a mídia estatal os ignorou. Enquanto isso, as autoridades parecem estar pressionando alguns ativistas.

No final da noite de domingo, na Praça Lenin, vídeos mostraram Kvashnikov discutindo com um homem à paisana que, segundo ele, o ameaçara, e depois sendo derrubado por outras pessoas à paisana; ele foi carregado pelos tornozelos, tórax e cotovelos até um carro da polícia.

Horas depois, as autoridades libertaram Kvashnikov. Os blogueiros em espera estavam lá para gravar sua caminhada na delegacia. Kvashnikov já havia informado seus fãs de que ele estava dando um tempo nos protestos, pela segurança de sua família.

"Não tenham medo e continuem assim, amigos", disse Kvashnikov em uma mensagem de vídeo gravada no domingo. "O mais importante, não abandone o que começamos juntos."

 

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaVladimir Putin

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.