Brandon Wade/Star-Telegram via AP
Brandon Wade/Star-Telegram via AP

No feriado em homenagem a Martin Luther King, Trump é alvo de críticas

Nos últimos dias, vários meios de comunicação e comentaristas americanos abandonaram evasivas e acusaram Trump de ser um racista, por causa dos comentários que ele teria feito sobre imigrantes de 'países de m...'

O Estado de S.Paulo

15 Janeiro 2018 | 22h00

Os Estados Unidos celebraram nesta segunda-feira, dia 15, o Dia de Martin Luther King Jr. em meio a um debate público sobre os sentimentos do presidente Donald Trump em relação a negros e hispânicos. “Eu não sou racista”, disse o ocupante da Casa Branca no domingo, em reação aos relatos de que ele se referiu ao Haiti e a países africanos como “lugares de merda” e defendeu a entrada nos EUA de imigrantes da Noruega, país majoritariamente branco.

 + Trump diz estar 'disposto' a chegar a um pacto para proteger imigrantes, diferente dos democratas

Nos últimos dias, vários meios de comunicação e comentaristas americanos abandonaram evasivas e acusaram Trump de ser exatamente o que ele negou ser. “Um racista no Salão Oval” era o título de artigo publicado pela revista New Yorker na sexta-feira, um dia depois das declarações de Trump. “O sentimento que o presidente expressou é um sentimento racista”, afirmou o apresentador Anderson Cooper, da CNN, na quinta-feira.

Com o título “O Racismo de Donald Trump: a Lista Definitiva”, um artigo de segunda-feira, dia 15, no New York Times narrava o histórico de declarações e ações discriminatórias do presidente. A relação começa nos anos 70, quando o atual ocupante da Casa Branca foi processado pelo Departamento de Justiça sob a acusação de evitar alugar imóveis a afro-americanos. A longa lista inclui a propagação, por Trump, da falsa teoria de que o ex-presidente Barack Obama nasceu no Quênia, vista como uma tentativa de deslegitimar o primeiro presidente negro da história dos EUA.

+ Congresso corre contra o tempo para evitar paralisação de governo dos EUA

Em agosto, Trump disse que havia pessoas “muito boas” entre extremistas de direita que marcharam em Charlottesville, na Virgínia. Um deles avançou com seu carro contra manifestantes que protestavam contra a presença de supremacistas brancos na cidade, matando uma ativista de 32 anos. Ivana Trump saiu em defesa do ex-marido e declarou em entrevista a uma TV britânica que ele às vezes diz coisas “imbecis”, mas “definitivamente não é racista”.

+ Refugiados que vivem nos EUA têm dificuldade para reencontrar famílias

A discussão marcou várias das comemorações desta segunda-feira, dia 15, nos EUA. “Eu estou envergonhado pelas atitudes e comentários racistas de Donald Trump”, disse o senador democrata Edward Markey em evento que homenageou Martin Luther King em Boston. “O que Dr. King esperaria que nós fizéssemos diante desse desrespeito à decência? Eu acredito que o Dr. King gostaria que nós lutássemos.” Líder do movimento contra a segregação racial nos EUA, King foi assassinado em abril de 1968.

Quebrando mais uma tradição da Casa Branca, Trump passou o feriado de longe do público, em um de seus campos de golfe. Presidentes que o antecederam usaram a data para realizar serviços comunitários ou se reunir com líderes afro-americanos. Na sexta-feira, o presidente havia encorajado a população a “honrar a extraordinária vida de Dr. King” e “seu grande legado”, com ações comunitárias.

Em Nova York, centenas de pessoas enfrentaram temperaturas próximas de zero para protestar contra o racismo na Times Square. “Não ao racismo. Não a Trump”, dizia um dos cartazes carregados por manifestantes.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.