Jonathan Ernst/Reuters
Jonathan Ernst/Reuters

No governo Biden, Fauci diz ser 'libertador' poder seguir a ciência

No governo anterior, epidemiologista desmentiu informações sem embasamento científico ditas por Trump, como a defesa feita pelo presidente da cloroquina como tratamento para covid-19, e chegou a ser escanteado em muitos momentos

Beatriz Bulla / Correspondente, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2021 | 20h07

WASHINGTON - O diretor do Instituto de Alergias e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos, Anthony Fauci, o epidemiologista que se tornou a imagem do combate ao coronavírus no país, foi alçado ao protagonismo no primeiro dia do governo Biden, e disse que é "libertador" poder seguir a ciência. Fauci, que é um dos maiores especialistas em epidemiologia do país, fez parte do time de combate à pandemia no governo Trump mas entrou em rota de colisão com o presidente com frequência.

O epidemiologista desmentiu informações sem embasamento científico ditas por Trump em entrevistas coletivas, como a defesa feita pelo presidente da cloroquina como tratamento para covid-19, e chegou a ser escanteado em muitos momentos. A imagem do especialista com rosto de desaprovação, atrás de Trump, durante coletivas de imprensa, viralizou nas redes sociais.

Nesta quinta-feira, Fauci representou o governo americano em reunião com a Organização Mundial da Saúde (OMS) -- foro que os EUA voltaram a frequentar com Joe Biden, depois de Trump anunciar a retirada do país da organização no ano passado. O epidemiologista também foi responsável por explicar à imprensa as medidas anunciadas por Biden em um briefing na Casa Branca no qual disse que era "libertador" poder "deixar a ciência falar". 

"É muito claro que há coisas que foram ditas sobre hidroxicloroquina e outras sobre isso que foram desconfortáveis, porque não foram baseadas em fatos científicos. Eu não senti prazer em contradizer o presidente", disse Fauci. "A ideia de que posso vir aqui e falar sobre o que eu conheço, sobre as evidências e deixar a ciência falar é um sentimento libertador", afirmou ele, logo depois de dizer que o novo governo será completamente honesto sobre o trabalho de combate à pandemia.

"Se as coisas saírem errado, não iremos apontar o dedo, mas corrigi-las. Essa é uma conversa que tive literalmente há 15 minutos com o presidente e algo que ele já disse diversas vezes", disse Fauci.

Em seu primeiro dia de trabalho como presidente dos Estados Unidos, Biden centrou os esforços no combate ao coronavírus, com a assinatura de dez medidas relacionadas ao enfrentamento da crise, o que classificou como um "esforço de guerra de larga escala".

Com tom sóbrio, Biden afirmou que a "verdade brutal" é que os EUA levarão meses até vacinar a maioria dos cidadãos e que a homenagem às 400 mil vítimas da covid-19 feita por ele na posse presidencial infelizmente não será o último momento de luto no país. O tom vai na contramão da retórica adotada pelo ex-presidente Donald Trump, que costumava minimizar a gravidade do vírus em pronunciamentos ao dizer que a pandemia estava sob controle.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.