No Iêmen, cinco militantes são mortos em ataque aéreo

Um ataque aéreo do governo no sul do Iêmen matou cinco militantes, informou hoje um funcionário do setor de segurança. O anúncio é feito no momento em que a segurança no país piora, em meio a protestos que duram cinco meses. O ataque aéreo ocorreu no fim da noite de ontem, atingindo um posto de controle militante entre as cidades de Jaar e Zinjibar, informou a fonte, pedindo anonimato. Segundo o funcionário, mais ataques ocorrem hoje, com pelo menos oito deles atingindo a cidade de Jaar e outras áreas próximas.

AE, Agência Estado

12 de julho de 2011 | 13h50

A segurança no Iêmen quase entrou em colapso durante os protestos pelo fim do regime do presidente Ali Abdullah Saleh. O regime de 33 anos de Saleh conseguiu sobreviver, apesar da pressão pela renúncia vinda de poderosos vizinhos do Golfo e dos Estados Unidos. Washington considera Saleh um aliado necessário na luta contra a Al-Qaeda no país e teme que a rede terrorista possa explorar a situação caótica para ampliar suas operações.

O chefe da área de contraterrorismo do governo do presidente Barack Obama, John Brennan, pediu a Saleh que firme uma proposta para transferir poder ao vice-presidente, em troca de imunidade judicial. Saleh, que recebe tratamento na Arábia Saudita por ferimentos ocorridos durante um ataque à residência presidencial no mês passado, recusou-se repetidamente a assinar o texto.

Brennan deve deixar o Iêmen hoje, após uma visita de dois dias em que se reuniu com o vice-presidente iemenita e membros da oposição e da sociedade civil. Ele pediu a todas as partes que participem no "processo político pacífico para lidar com as urgentes necessidades do povo iemenita por melhores condições sociais, econômicas e de segurança". Além disso, pediu a implementação imediata de uma transição que atenda às aspirações do povo iemenita. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.