No Japão, 74% defendem fim gradual da energia nuclear

Oposição a reatores foi maior em províncias que abrigam complexos nucleares

REUTERS

14 de junho de 2011 | 07h35

TÓQUIO - Quase três quartos dos eleitores japoneses querem ver uma saída gradual da energia nuclear, mostrou pesquisa divulgada por um jornal nesta terça-feira, 14, o mais recente sinal de preocupação com a segurança atômica num momento em que o país sofre com a maior crise nuclear em 25 anos.

A pesquisa do jornal Asahi, no entanto, também apontou que 51 % concordam que os reatores que atualmente estão desligados para passar por inspeções devem ser religados se atenderem aos padrões de segurança do governo, contra 35 % que são contra essa ideia.

A oposição foi maior em regiões que abrigam reatores.

A pesquisa coincidiu com um referendo realizado na segunda-feira na Itália em que 95 por cento dos eleitores votaram por bloquear uma volta à energia nuclear no país, que costuma sofrer com terremotos.

Três meses depois de um grande terremoto e um devastador tsunami, funcionários ainda tentam estabilizar os reatores na usina nuclear de Fukushima Daiichi, operada pela Tokyo Electric Power (Tepco). Dezenas de milhares de pessoas foram retiradas da região onde fica a usina.

Tudo o que sabemos sobre:
JAPAOPESQUISANUCLEAR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.