No Japão, água é lançada no núcleo dos reatores 1 e 3

A Tokyo Electric Power Co. (Tepco) injetou água nos núcleos dos reatores 1 e 3 da usina nuclear Daiichi, em Fukushima, para melhorar a eficiência da refrigeração. No entanto, água altamente radioativa estava vazando nas proximidades dos quatro reatores com problemas na instalação, informou a agência de notícias Kyodo.

AE, Agência Estado

25 de março de 2011 | 15h54

Um dia depois de três trabalhadores terem sido expostos à água com nível de radiação dez mil vezes acima do normal no prédio onde fica a turbina conectada ao reator do edifício do reator 3, uma poça de água com alta concentração de materiais radioativos foi encontrada no prédio onde fica a turbina do reator 1, levando à suspensão dos trabalhos.

Poças de água, que podem ter escoado do núcleo do reator ou das piscinas de combustível já utilizado, também foram encontradas nos prédios onde ficam as turbinas dos reatores 2 e 4, que têm profundidades de 1 metro e 80 centímetros, respectivamente, enquanto as encontradas perto dos reatores 1 e 3 tinham até 40 centímetros e 1,5 metro de profundidade.

O primeiro-ministro do Japão, Naoto Kan, disse no final da tarde de hoje (horário local) que a situação na usina, a qual envolve vazamento de materiais radioativos e outros problemas sérios, "ainda não permite o otimismo". Kan falhou em abordar o que os japoneses e a comunidade internacional mais querem saber no momento - se a crise em curso será colocada sob controle em breve. Ele apenas disse que o governo colocou todos os seus esforços na direção de evitar uma piora da situação em curso.

Hoje, cresceram as preocupações de que o vazamento de alto nível de radioatividade, detectado ontem em trabalhadores, possa danificar o vaso de proteção do reator 3. Mais tarde, a Agência de Segurança Nuclear e Industrial do Japão negou essa possibilidade, afirmando que nenhum dado, como o nível da pressão, sugeria que o vaso do reator tinha rachado ou estaria danificado.

Enquanto se suspeita que o alto nível de radiação veio do reator, onde se acredita que parte das varetas de combustíveis podem ter derretido, permanece incerto como o vazamento aconteceu, disse Hidehiko Nishoyama, porta-voz da agência. Ele afirmou que mais perícias são necessárias para descobrir como a água radioativa chegou ao local no solo onde os trabalhadores que combatem o vazamento estão expostos.

Os três trabalhadores foram transferidos para o Instituto Nacional de Ciências Radiológicas, na prefeitura de Chiba, no começo da noite de hoje (horário local). Dois deles, internados antes com queimaduras, estariam em situação mais crítica e parecem ter sofrido exposição interna à radiação, disse o instituto. Eles não mostraram sintomas iniciais e não precisam de tratamento. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.