No Japão, ex-presidente afirma que Taiwan é ´independente´

Para Lee Teng-hui, é natural que taiwaneses afirmem claramente que país é só seu

Agencia Estado

15 Junho 2007 | 02h48

O ex-presidente taiwanês Lee Teng-hui, que apóia firmemente a idéia da independência de Taiwan, afirmou neste sábado à imprensa que seu país é "independente" da China, e deseja "liberdade e democracia". Lee encerra neste sábado em Tóquio uma visita de 11 dias que considerou de caráter "privado". Mesmo assim, sua presença tem atraído a imprensa japonesa. Ele conversou com jornalistas em japonês fluente, no Clube de Correspondentes Estrangeiros da capital japonesa. E afirmou que "Taiwan é um país independente", acrescentando que é "natural" que os taiwaneses afirmem claramente que o país é só seu. Na quinta-feira, Lee prestou homenagem a seu irmão morto, no polêmico templo Yasukuni. O santuário lembra os militares japoneses mortos em combate, entre eles vários criminosos de guerra. O irmão de Lee morreu na Segunda Guerra Mundial quando combatia pelo lado japonês e sua memória está consagrada no templo de Yasukuni. As visitas de dirigentes japoneses ao templo têm causado a revolta de China e Coréia, que consideram Yasukuni uma homenagem ao imperialismo japonês. O governo chinês criticou na semana passada a visita de Lee ao santuário, afirmando que o seu objetivo real era "apoiar a independência" de Taiwan e "minar as relações exteriores da China", nas palavras da porta-voz da chancelaria chinesa, Jiang Yu. Pequim criticou o governo do Japão por permitir que o ex-líder taiwanês fosse ao santuário de Yasukuni. Lee Teng-hui, presidente de Taiwan entre 1988 e 2000, é considerado pela China um "traidor da pátria". Ele é o pai espiritual do partido independentista União Solidariedade de Taiwan, que defende a independência formal do país.

Mais conteúdo sobre:
Taiwan Japão China independência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.