No Líbano, enfermeira salva três bebês em UTI atingida por explosão

No Líbano, enfermeira salva três bebês em UTI atingida por explosão

História foi revelada por fotojornalista que encontrou a enfermeira com as três crianças nos braços no hospital da Universidade Americana de Beirute

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2020 | 14h49

Uma enfermeira virou símbolo de resistência e solidariedade no Líbano, após as explosões que provocaram destruição na capital do país na terça-feira, 4, ao salvar três bebês prematuros que estavam internados na Unidade de Tratamento Intensivo  neonatal (UTI) do hospital da Universidade Americana de Beirute.

O caso veio a público por causa de uma imagem publicada pelo fotojornalista Bilal Jawich, que se deparou com a cena da enfermeira - ainda não identificada pelo nome - segurando os três recém-nascidos nos braços em meio aos escombros.

"Em 16 anos de trabalho, cobri muitas guerras. Posso dizer que ainda não tinha visto o que vi hoje na área de Ashrafia, especialmente em frente ao hospital. Essa 'heroína' me capturou dentro do hospital. Estava segurando três bebês recém-nascidos e cercada por dezenas de corpos e feridos", escreveu Jawich.

Em entrevista à CNN Arabic, Jawich disse que conversou com a enfermeira e que ela teria revelado que, quando a onda de choque atingiu o hospital, ela foi derrubada e perdeu os sentidos. Ainda nas palavras do fotojornalista, ela disse que quando recuperou a consciência, percebeu que estava carregando as crianças.

De acordo com o médico Joseph Haddad, diretor da unidade de tratamento intensivo neonatal, pelo menos quatro enfermeiros morreram e cinco médicos ficaram feridos no hospital, que foi um dos locais mais atingidos pela explosão. No local onde a enfermeira resgatou os bebês, parte do teto havia caído e o vidro das janelas quebrado./ Com informações do The New York Times

Tudo o que sabemos sobre:
Líbano [Ásia]bebêBeirute [Líbano]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.