No Mali, franceses avançam para reduto de radicais

'Centenas' de soldados de Paris partem na direção de vila que estaria em poder da Al-Qaeda, a 400 km da capital

PARIS, O Estado de S.Paulo

17 de janeiro de 2013 | 02h06

O Exército francês iniciou ontem o deslocamento de tropas em direção à cidade de Diabaly, a cerca de 400 quilômetros da capital do Mali, Bamako. O vilarejo havia sido tomado por extremistas islâmicos no final de semana, após o início dos bombardeios promovidos pela França contra alvos jihadistas no norte do país.

A ofensiva sobre Diabaly foi iniciada com centenas de soldados franceses, segundo o Ministério do Interior informou em Paris. Eles também se deslocaram ao vilarejo vizinho de Niono, a 50 quilômetros.

No sul da cidade, as Forças Armadas também isolaram uma ponte sobre o Rio Níger, na cidade de Markala, a 80 quilômetros - uma forma de conter qualquer rota de fuga, em especial na direção da capital.

Segundo o Ministério da Defesa, os jihadistas de Diabaly são comandados por um dos chefes da Al-Qaeda do Magreb Islâmico, (AQMI), o argelino Abou Zeid. A tendência, segundo o ministro Jean-Yves Le Drian, é de que as tropas francesas entrem em choque corpo a corpo.

Tropas do Exército do Mali, com o apoio de soldados franceses, também estariam enfrentando os islamistas em Konna, 700 quilômetros a nordeste da capital. A tomada dessa cidade pelos jihadistas foi o detonador da intervenção da França, no sábado. Há 800 soldados franceses no Mali, um efetivo que deve chegar a 2,5 mil homens. / A.N.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.