Leah Millis / Reuters
Leah Millis / Reuters

No momento da votação do impeachment, Trump fazia comício em Michigan

Apesar de irritado, presidente americano compareceu ao evento exibindo sua típica energia e acusou os democratas de ‘tentar anular os votos de 10 milhões de patriotas americanos’

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2019 | 06h39

BATTLE CREEK, EUA - O presidente americano, Donald Trump, é combativo e aprecia os momentos de exibição. Na noite de quarta-feira, 18, momento em que a Câmara dos Deputados votava o seu impeachment, ele participava de um comício em Michigan.

Ironias do destino, um evento na pequena cidade de Battle Creek, planejado há alguns meses, coincidiu com a data de aprovação de sua acusação em Washington. De fato, a histórica votação na Câmara foi realizada enquanto o presidente discursava para 7 mil simpatizantes.

"Nós queremos Trump, nós queremos Trump", gritavam seus apoiadores antes do comício. Nada mais gratificante para alguém que precisava desafogar sua ira contra os rivais democratas, os meios de comunicação e todas as forças que, segundo ele, conspiram contra seu governo.

Trump não compareceu ao comício como um presidente contra a maré. Ele exibiu sua típica energia e piadas, mas desta vez mais irritado.

Para Entender

Guia do impeachment: veja o passo-a-passo para depor o presidente dos EUA

Entenda todas as etapas necessárias para remover Donald Trump e saiba quais sãos as diferenças em relação ao processo no Brasil

Acusou os democratas de uma ação baseada no ódio e de "tentar anular os votos de 10 milhões de patriotas americanos", declarações que foram recebidas com aplausos. "Eles estão tentando o impeachment desde o primeiro dia. Eles tentam o impeachment desde antes da candidatura", disse.

Controlada pela oposição democrata, a Câmara transformou Trump no terceiro presidente na história dos Estados Unidos a ser submetido à humilhação de um julgamento político.

Mas Trump demonstrou que estava feliz ao lado de seus simpatizantes. A multidão riu de suas piadas, vaiou quando ele pediu e o aplaudiu em vários momentos.

Para Entender

Impeachment nos EUA já atingiu três presidentes, mas nenhum foi deposto

Os democratas Bill Clinton, em 1998, e Andrew Johnson, em 1868 foram absolvidos pelo Senado; em 1974, Nixon renunciou antes da votação

"Prefiro estar aqui. Estes comícios são ótimos. Vocês são uma inspiração", afirmou ele. "Mais quatro anos, mais quatro anos", respondeu a plateia.

De olho em 2020

O presidente republicano acredita que o processo de impeachment vai impulsionar sua reeleição em novembro de 2020, criando uma onda de indignação na direita capaz de derrotar a oposição de esquerda.

Embora as pesquisas mostrem que mais da metade do país desaprova sua administração, Trump acredita que vencerá nos Estados com maior peso no colégio eleitoral, como Michigan.

Para Entender

O processo que pode levar ao impeachment de Trump

É possível que o presidente americano seja deposto? Como ficam as eleições americanas de 2020? Fique por dentro dessas questões com este conteúdo especial

Trump destacou o bom desempenho da economia e citou os gastos militares, mas usou como principal trunfo suas teorias da conspiração que, segundo ele, buscam humilhar os cidadãos comuns.

Inimigos

Além disso, reiterou sua lista de inimigos, com os já conhecidos apelidos, como o "suspeito Schiff", em referência ao líder da bancada democrata na Câmara dos Deputados, Adam Schiff, ou "Hillary desonesta", em referência a Hillary Clinton, rival que derrotou na eleição presidencial de 2016.

Ele também atacou a imprensa "mentirosa" e pediu a retirada de uma mulher que exibiu um cartaz contra ele.

O presidente voltou a afirmar que o julgamento político não tem importância. "Não estou preocupado", disse à multidão. "Não sei vocês, mas eu estou me divertindo". / AFP

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.