Pier Paolo Cito/AP
Pier Paolo Cito/AP

No Parlamento, Berlusconi pede apoio para seguir no governo

Primeiro-ministro enfrenta na terça-feira um voto de confiança nas duas casas do Congresso

estadão.com.br,

13 de dezembro de 2010 | 09h30

ROMA - O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, fez um discurso no Parlamento nesta segunda-feira, 13, no qual defendeu seu governo e pediu que deputados e senadores dissidentes de seu partido não traiam o voto dos eleitores. O premiê enfrenta amanhã um voto de confiança nas duas casas do Congresso. Se for derrotado, terá de renunciar.

"O povo é o único que deve decidir se o governo tem trabalhado bem ou se deve se demitir", disse o primeiro-ministro. "O único caminho possível é renovar a confiança no Executivo em nome da responsabilidade nacional".

No discurso, Berlusconi apelou aos parlamentares moderados e prometeu um novo pacto de governo. Segundo ele, as consequências de uma nova crise política na Itália, caso seu governo caia, são imprevisíveis.

"Para que serve uma crise que não se conhecem as consequências e quais são os objetivos daqueles que a almejam?", questionou o premiê.

Berlusconi prometeu ainda não deixar de lado a possibilidade de diálogo com a oposição e prometeu recompor a aliança de centro-direita que lhe levou ao poder, que inclui além de seu partido, o Povo da Liberdade, a Liga Norte, os democratas-cristãos e os dissidentes do Partido Futuro e Liberdade, do presidente da Câmara, Gianfranco Fini.

A coalizão de Berlusconi está em crise desde sua ruptura com o grupo de Fini, em julho. O presidente da Câmara fundou o novo partido e levou consigo parlamentares da base do governo. Na última moção de confiança, em setembro, Berlusconi conseguiu se manter no cargo graças ao apoio do grupo de Fini.

Com Efe

Tudo o que sabemos sobre:
ItáliaSilvio Berlusconi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.