No primeiro dia, Obama começa a desmontar legado de Bush

Em seu primeiro dia de trabalho na Casa Branca, o presidente americano, Barack Obama, decretou um congelamento nos salários dos funcionários públicos mais bem pagos; baixou regras mais duras para lobistas e determinou mais divulgação dos documentos do governo. "Durante este período de emergência econômica, as famílias apertam o cinto e Washington deveria fazer o mesmo. É por isso que estabeleço o congelamento do salário de meus principais assessores na Casa Branca", disse o novo presidente. Mais informaçõesObama teve um dia cheio: o Oriente Médio foi outro importante item da agenda do presidente. Ele telefonou para o presidente egípcio, Hosni Mubarak, o primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, o rei Abdula, da Jordânia, e o presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas. Obama prometeu "engajamento ativo" no frágil cessar-fogo entre israelenses e palestinos na Faixa de Gaza."Em relação ao conflito em Gaza, o presidente enfatizou sua determinação de ajudar a consolidar o cessar-fogo com o estabelecimento de um esquema para combater o contrabando de armas, evitando, assim, o rearmamento do Hamas e, por meio de parceria com a Autoridade Palestina, ajudar os palestinos na reconstrução de Gaza", disse o secretário de imprensa, Robert Gibbs. Durante a tarde, o presidente encontrou-se com integrantes de sua equipe econômica - entre eles o assessor econômico nacional Lawrence Summers e o diretor do Escritório de Administração e Orçamento, Peter Orszag. Depois, dando sequência ao desmonte da era de George W. Bush, Obama se reuniu com os principais responsáveis por segurança nacional no governo, entre eles o secretário de Defesa Robert Gates, o conselheiro de Segurança Nacional, general James Jones, o chefe do Estado-Maior Conjunto, almirante Michael Mullen - para discutir a retirada de tropas do Iraque e os próximos passos no Afeganistão. No dia da posse, Obama determinou a suspensão das comissões militares criadas pelo governo Bush para julgar os detentos de Guantánamo (mais informações na pág. 9). SALÁRIOS CONGELADOSObama assinou uma ordem executiva proibindo funcionários do Executivo de aceitar presentes de lobistas, vetando servidores de aceitar cargos em empresas de lobby, e afirmando que ninguém teria um cargo em uma área na qual tivesse feito lobby nos dois anos anteriores. Outra ordem executiva determinou que os funcionários públicos que ganham mais de US$ 100 mil ao ano terão seus salários congelados. No chamado memorando de transparência e governo aberto e no memorando da Lei de Liberdade de Informação, Obama alfinetou claramente a tradição de sigilo do governo Bush. "Tem havido sigilo demais nessa cidade", disse Obama. "As velhas regras diziam que, se houvesse uma razão para não divulgar alguma coisa ao povo americano, então não deveria ser divulgado. Isso agora acabou. Começando hoje, todas as agências e departamentos devem saber que este governo não está do lado daqueles que querem reter informação, mas sim daqueles que querem revelar."O dia de Obama começou às 08h35 com uma visita ao Salão Oval, onde ele se sentou sozinho por 10 minutos. Ele leu um bilhete de George W. Bush, deixado na gaveta do lado esquerdo da escrivaninha, uma tradição presidencial. O bilhete estava em um envelope com os dizeres : "Para o 44º, do 43º." A Casa Branca não divulgou o conteúdo do bilhete. Depois, Obama foi a uma missa na Catedral Nacional de Washington.Na página da Casa Branca, o governo Obama deixou claro que está disposto a participar em discussões com o Irã "sem estabelecer exigências" e trabalhará para eliminar as armas nucleares.MEDIDAS INICIAISSalários - Funcionários públicos que atualmente recebem mais de US$ 100 mil por ano terão seus salários congelados nos valores atuaisLobby - Empregados do Executivo estão proibidos de receber qualquer benefício de lobistas e os servidores não poderão aceitar cargos em empresas privadas que tenham interesse em contratos públicosDireitos Humanos - Todos os julgamentos dos prisioneiros da base de Guantánamo por comissões militares estão suspensos pelos próximos 120 diasTransparência - Regras para consulta de documentos da administração passarão a ser mais flexíveisDiplomacia - Em telefonemas para líderes de Israel, Egito, Jordânia e da Autoridade Palestina, Obama prometeu ?engajamento ativo? na busca de resolução para o atual conflitoDefesa - Retirada das tropas do Iraque e próximos passos no Afeganistão foram discutidos com especialistas civis e militares na chamada ?sala de situação? da Casa Branca

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.