Dave Hogan/AP
Dave Hogan/AP

Show beneficente de Ariana Grande desafia o medo no Reino Unido

Evento em homenagem às vítimas do atentado realizado ao final da apresentação da cantora americana há duas semanas ocorreu um dia depois de novos ataques em Londres

O Estado de S.Paulo

04 de junho de 2017 | 17h43
Atualizado 04 de junho de 2017 | 20h10

MANCHESTER - O show beneficente em Manchester começou neste domingo, 4, com um minuto de silêncio, em homenagem às vítimas do atentado realizado ao final da apresentação da cantora Ariana Grande há duas semanas, e 24 horas depois de um novo ataque deixar sete mortos em Londres.

O público, segurando cartazes onde se podia ler "para nossos anjos", fez um minuto de silêncio antes de Marcus Mumford, líder do grupo Mumford & Sons, iniciasse o espetáculo.

O show, intitulado "One love Manchester", foi realizado no estádio de críquete de Old Trafford, quase duas semanas após o atentado ao final da apresentação de Ariana Grande no Manchester Arena, que deixou 22 mortos, entre eles várias crianças, e 116 feridos.

O evento contou com a participação de vários artistas do pop, como Justin Bieber, Katy Perry, Coldplay, Robbie Williams, Pharrell Williams, Miley Cyrus, Take That, Usher, the Black Eyed Peas, Little Mix e Niall Horan, do One Direction.

Ariana Grande chegou ao palco aparentando estar emocionada e com os olhos cheios de lágrimas enquanto cantava "Be Alright" e "Break Free". Antes da performance, ela e seus bailarinos deram as mãos em solidariedade. "Manchester, nós vamos ficar bem", disse ela. Mais tarde, a cantora retornou ao palco ao lado da banda Black Eyed Peas com o hit "Where Is the Love?". 

Ela fechou o show com "Over The Rainbow" e foi bastante aplaudida, sobretudo quando interpretou com o grupo Coldplay o sucesso de Oasis transformado em hino à resistência "Don't Look Back in Anger".

Em um dos momentos mais emocionantes da noite, a cantora americana, que fez duetos com outros artistas, dividiu o palco com um coral de 24 alunos de uma escola de Manchester (alguns deles estavam no show de 22 de maio). Eles interpretaram juntos seu sucesso "My Everything". "Gostaria de agradecer a vocês por serem tão fuertes, por estarem tão unidos, por serem tão carinhosos. Amo muito vocês", disse Ariana Grande ao público.

Londres.

Após o atentato de sábado na capital britânica, onde sete pessoas morreram, o agente de Ariana Grande, Scooter Braun, disse que o show beneficente seria mantido, "com ainda mais motivos". "Rezando por Londres", tuitou a cantora de 23 anos. "Não devemos ter medo e devemos prestar uma homenagem aos afetados, aqui e no mundo todo, juntaremos nossas vozes e cantaremos com força", afirmou.

Os lucros do evento serão doados para as famílias das vítimas. As 35 mil entradas que foram colocadas à venda na quinta-feira por 40 libras (US$ 51) foram vendidas em poucos minutos. Também havia 14.200 entradas grátis reservadas aos que estiveram no show de 22 de maio.

Uma plateia de aproximadamente 60 mil pessoas assistiu ao show, que teve segurança reforçada. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.