Victor R. Caivano/AP
Victor R. Caivano/AP

No Rio, Ahmadinejad se encontra com intelectuais do Brasil

Reunião indica apoio ao presidente iraniano

Lourival Sant’Anna - O Estado de S. Paulo,

21 de junho de 2012 | 21h40

RIO DE JANEIRO - O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, reuniu-se ontem com cerca de 60 intelectuais brasileiros de esquerda, numa manifestação de apoio ao mais controvertido dos 94 chefes de Estado e de governo presentes na Rio+20.

Veja também:

link Evo e Ahmadinejad assinam acordo para combater tráfico

link Irã pode interromper enriquecimento de urânio em troca de combustível

"Hoje de manhã me reuni com um grupo de intelectuais da elite brasileira", afirmou Ahmadinejad, durante entrevista coletiva. "Apresentaram opiniões sobre os temas do mundo. Pessoas que lutaram por estabelecer a justiça na sociedade; uma longa luta. Alguns passaram mais de 20 anos na prisão para poder concretizar seus objetivos."

Dentre os que se reuniram com Ahmadinejad estava o sociólogo Emir Sader, influente conselheiro para assuntos internacionais no PT; Carlos Zarattini, outro petista de São Paulo; o comunista Haroldo Lima, presidente da Agência Nacional do Petróleo no governo Lula; o brizolista Fernando Peregrino, que foi candidato a governador pelo PR em 2010, ficando em terceiro lugar; e João Vicente Goulart, filho do ex-presidente João Goulart. Na coletiva, em um hotel da zona sul do Rio, sob forte esquema de segurança, Ahmadinejad garantiu que, apesar do acirramento das sanções econômicas, o Irã seguirá adiante com seu programa nuclear.

"Com seu pensamento materialista, eles acham que, rompendo as relações econômicas, podem atingir seus objetivos", disse o presidente iraniano, que como sempre fez uma rápida oração antes da coletiva, e disse que falava "em nome de Deus". "Estão errados. É nosso desejo cortar os laços de dependência dos países ocidentais."

"Graças aos esforços de nossos especialistas e profissionais, grande parte das necessidades do país tem sido atendida (sem ajuda externa)", disse. "O Irã já é a 17.ª economia do mundo, e em breve será a 15.ª, sem apoio do Ocidente. Acho que o Irã é um bom modelo para demonstrar que sem apoio dos colonialistas é possível progredir", disse o presidente.

Apoio brasileiro. Ahmadinejad lembrou que o Irã aceitou a solução mediada em maio de 2010 pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pelo primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan. "Eles (as potências ocidentais) responderam com uma nova resolução no Conselho de Segurança contra nós", recordou Ahmadinejad.

"Continuamos com nossa paciência e procuraremos negociações em vez de enfrentamentos. Mas seguramente defenderemos nossos direitos."

O líder iraniano, no entanto, descartou uma resposta militar a uma escalada do conflito na Síria, seu aliado estratégico no Oriente Médio. Respondendo a uma pergunta do Estado, ele disse que o envio de armas ou uma intervenção militar apenas agravariam a situação, e defendeu uma saída negociada.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.